Nota de repúdio dos Estudantes em Solidariedade ao Povo Palestino da USP

Nós, Estudantes em Solidariedade ao Povo Palestino – Universidade de São Paulo (ESPP-USP) repudiamos a realização do curso coordenado por Gabriel Steinberg “Para entender o Oriente Médio e o conflito israelo-palestino”, ministrado por Samuel Feldberg.

Entendemos ser essencial que a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas impulsione cursos e debates acerca do tema de Israel e Palestina para que se tenha uma maior percepção e entendimento dos conflitos que acontecem no Oriente Médio e como o Brasil possui relação com ela. No entanto, discordamos fundamentalmente do conteúdo apresentado por este, assim como pelo que os responsáveis pelo mesmo representam e defendem publicamente, como conteúdos com teor discriminatório ao povo palestino.

Ao colocar o Sionismo como um projeto que deu certo e a Palestina como estagnada, defendendo o primeiro – assim como está nos objetivos do curso – tenta-se mascarar a realidade palestina que enfrenta um cenário de colonização e limpeza étnica, com políticas segregacionistas contra os mesmos dentro dos territórios de 48.

Enquanto Estudantes em Solidariedade ao Povo Palestino, repudiamos esse curso e encorajamos nossos colegas a não patrocinarem esse tipo de conteúdo, visto que esse curso representa a ideia hegemônica do Sionismo como um projeto salvador – posicionamento que a ESPP se coloca radicalmente contra. Entendemos o Sionismo, na Palestina, como um projeto colonizador que continua em andamento desde o começo do século XX, com a constante e cotidiana expulsão dos palestinos de suas terras, além da sistemática violação dos direitos humanos destes. Acreditamos que independentemente do governo que se estabelece – mais ligado a direita ou esquerda – a própria manutenção de um Estado de caráter colonial, que se deu a partir de genocídios, destruição de vilas e expulsão dos palestinos, representa e mantém a condição de guerra e apartheid no local.

Diante disso, defendemos que a Universidade de São Paulo, e em especial a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, se constitua como um espaço de combate às ideias de apartheid e colonização e que não corrobore com instituições ou discursos que violem os direitos de qualquer povo, inclusive o povo palestino. Por isso, levantamos três bandeiras mínimas e fundamentais: “Pelo Direito de Retorno dos Refugiados Palestinos, pelo fim da Ocupação e pela igualdade de Direitos dos palestinos em Israel”.

Por fim, gostaríamos de enfatizar, enquanto ESPP, que nos colocamos veementemente contra qualquer tipo de manifestação e pensamento antissemita. Ao repudiar o projeto sionista, repudiamos um projeto de colonização e um projeto que, em suas práticas, é abertamente racista. Nunca nos colocaremos ao lado de qualquer força, organização ou discurso que se assemelhe ou, de fato, seja antissemita. Levantamos claramente um de nossos princípios básicos: “Antissionismo sim, antissemitismo jamais!”.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Boicotar o apartheid sul-africano tinha a ver com ditadura militar? Bem pelo contrário. Um curso do ponto de vista do opressor sionista não conta a verdade das vítimas palestinas.

  2. Se os estudantes são contra este curso que criem outro que defensa as suas ideias. Boicotar e censurar um curso por discordar de seu conteúdo é uma manifestação fascista de intolerância só vista antes na ditadura militar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.