Nota de repúdio à postura preconceituosa do ministro da educação, Abraham Weintraub

Na reunião ministerial ocorrida no dia 22 de abril e recentemente tornada pública, o ministro da Educação afirmou sentir “ódio” do termo “povos indígenas”, numa manifestação preconceituosa e racista

Via CIMI Nacional.

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) vem a público repudiar veementemente a fala e a postura do ministro de Estado da Educação, Abrahan Weintraub, em reunião ministerial no dia 22 de abril de 2020. O ministro, em sua fala raivosa, disse: “Odeio o termo ‘povos indígenas’, odeio esse termo. Odeio o povo Cigano. Quer, quer. Não quer, sai de ré”.

É lamentável a postura anti-indígena do atual governo. A fala do ministro de Estado da Educação, diante de outros ministros e do presidente da República, é violenta e extremamente antissocial, preconceituosa e racista. É grave o propósito do governo de destruir os direitos dos povos indígenas com a política de assimilação reafirmada pelo ministro.

Os atos administrativos em curso contra os direitos dos povos indígenas vão na direção oposta à responsabilidade constitucional do Poder Executivo (como, por exemplo, a Instrução Normativa nº 09, da Funai, que possibilita a regularização de invasões dentro dos territórios indígenas) e ao dever de proteger a todos os brasileiros e pacificar o país. O ódio que o ministro disse ter dos povos indígenas e dos ciganos se estende aos demais povos e incita a violência contra estas populações e seus direitos, uma atitude carregada de preconceito, ignorância e ranço colonial.

Repudiamos também a postura do governo Bolsonaro, que desonra as instituições, sem o mínimo decoro e respeito aos milhões de brasileiros e brasileiras que se encontram em sofrimento extremo diante da pandemia, enfrentada por grande parte da população sem o mínimo de condições de uma vida digna.

Esperamos providências por parte do Ministério Público Federal para as investigações pertinentes acerca de possível cometimento de crime de ódio e outros crimes e para a responsabilização jurídica do Ministro da Educação em decorrência desse discurso inaceitável.

Exigimos a imediata demissão do Ministro da Educação e a revogação da Instrução Normativa 09/2020 da Funai. Exigimos também o respeito aos povos indígenas e aos seus direitos duramente conquistados na Constituição Federal do Brasil, que afirma em seu artigo 231 que “são reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens”. O Brasil é um país pluriétnico e sua diversidade deve ser preservada e respeitada.

Manifestamos a nossa solidariedade aos povos originários do Brasil e aos povos ciganos diante de mais um ataque violento de parte do governo Bolsonaro nesse período grave de pandemia do coronavírus e de morte de milhares de brasileiros.

Brasília, 23 de maio de 2020

Conselho Indigenista Missionário

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.