Nota de apoio e solidariedade do MST à ocupação da Reitoria do IFB

Servidores e estudantes de diversas universidades do Brasil já anunciaram adesão à manifestações que tem como foco a luta pela Educação

Foto: Reprodução.

Na tarde de ontem, quinta-feira (03), cerca de 70 servidores do Instituto Federal de Brasília (IFB) ocuparam a reitoria do Instituto, no Setor de Autarquias Sul (SAS), no Distrito Federal. A ação faz parte de uma mobilização convocada pela União Nacional dos Estudantes (UNE) por centrais sindicais e movimentos sociais desde ontem.

Os manifestantes pedem que o comando da instituição se posicione sobre o projeto Future-se, que prevê privatizações das universidades públicas e é rejeitado de forma maciça pela comunidade acadêmica. Confira nota de apoio às ocupações.

Campanha de Financiamento Coletivo para não esquecer da Novembrada. Faça como os apoios institucionais da Apufsc Sindical, Fecesc, Editora Insular, Sinergia, Sintram/SJ, Sintespe, Sindsaúde, Sintrasem e Sinte e apoie a realização do “Quarenta” você também. Para contribuições individuais, clique em catarse.me/quarenta

Nota de apoio e solidariedade ao Movimento de Ocupação da Reitoria do IFB 

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra do Distrito Federal e Entorno vem a público manifestar todo apoio e solidariedade ao movimento paredista do IFB, composto por servidores e estudantes, que ocupou a reitoria da instituição na manhã de hoje, dia 03 de outubro, em Brasília.

Reafirmamos a legitimidade da ocupação como forma de luta e resistência e como instrumento constitucional para impedir a retirada de direitos e o avanço do movimento privatista que assola o ensino público brasileiro, em especial o amplo processo de sucateamento das instituições que atuam com ciência e tecnologia no Brasil.

Sabemos que o governo neofascista, neoliberal e ultraconservador de Jair Bolsonaro vem tentando emplacar o desmonte do ensino público brasileiro, operando uma espécie de caça às bruxas, com perseguição ideológica, criminalização do pensamento crítico e do direito democrático de desenvolver os processos pedagógicos no campo do ensino, da pesquisa e da extensão. Tentam impor o programa Future-se, nada mais que a entrega da educação pública a iniciativa privada, que vai gerar um impacto sem precedentes as relações de trabalho, desestimulando servidores e rebaixando a qualidade de ensino e dos serviços públicos prestados.

O MST se posiciona contra o programa Future-se e amplia as fileiras da luta junto aos estudantes e servidores para barrar mais essa retirada de direitos. Exigimos que a reitoria receba o movimento paredista e se posicione contra mais esse ataque a educação pública brasileira.

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – Distrito Federal e Entorno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.