Noruega, o país onde todo mundo sabe o salário de todo mundo

Publicado em: 01/08/2017 às 10:37
Noruega, o país onde todo mundo sabe o salário de todo mundo

Por Lars Bevanger.

Na última semana, os jornais britânicos revelaram o salário das estrelas da BBC –o que gerou polêmica no país pelos altos valores pagos a alguns e também pela diferença ainda notória nos pagamentos entre apresentadores e apresentadoras.

Na Noruega, por sua vez, esses “segredos” simplesmente não existem. Desde 1814, qualquer pessoa pode descobrir quanto a outra ganha –e isso raramente causa algum problema.

No passado, o salário dos noruegueses era publicado em um livro –uma lista do quanto todo mundo ganhava, o que cada um tinha e o quanto de impostos pagava poderia ser encontrada em uma prateleira da biblioteca pública. Hoje, a informação está online, a apenas alguns cliques de distância.

A mudança aconteceu em 2001, e teve um impacto instantâneo. “Isso se tornou puro entretenimento para muita gente”, disse Tom Staavi, que foi editor de economia no VG, um jornal local.

“Em algum momento você automaticamente ficaria sabendo quanto seus amigos do Facebook ganhavam simplesmente fazendo login no próprio Facebook. Foi ficando ridículo.”

A transparência é importante, segundo Staavi, em parte porque noruegueses pagam impostos de renda bastante altos –uma média de 40,2% do que ganham no ano, enquanto a europeia é de 30,1%. No Brasil, o teto é de 27,5%, mas há muito mais pessoas isentas do pagamento do que no país escandinavo.

“Quando você paga tudo isso de imposto, você precisa saber que o resto do país está fazendo o mesmo e você tem de saber que o dinheiro está sendo bem utilizado”, disse.

“Nós precisamos ter confiança nos dois, tanto no sistema de impostos quanto no sistema de seguridade social”, afirmou.

Pouca diferença salarial

As vantagens da medida são consideradas muito superiores a qualquer problema que possa ser causado pela inveja.

Mas a verdade é que na maioria dos locais de trabalho noruegueses as pessoas têm uma boa ideia de quanto seus colegas estão ganhando, sem ter que ficar procurando por isso.

Salários em muitos setores são estipulados por meio de acordos coletivos, e as diferenças são relativamente baixas.

A disparidade por gênero também é pequena em comparação com padrões internacionais. O Fórum Econômico Mundial coloca a Noruega em terceiro lugar no ranking de 144 países em termos de igualdade salarial entre homens e mulheres pelo desempenho da mesma função.

Logo os números que aparecem no Facebook podem não ter pego muita gente de surpresa. Mas em determinado momento, Tom Staavi e outros negociaram com o governo para criar medidas que motivariam as pessoas a pensar duas vezes antes de bisbilhotar os detalhes salariais de um amigo ou colega.

Agora é preciso logar com seu número de identidade nacional para acessar o arquivo no site dos impostos do governo, e pelos últimos três anos tem sido impossível fazer essa busca de maneira anônima.

“Desde 2014, tem dado para saber quem está fazendo essas buscas sobre suas informações”, explicou Hans Christian Holte, chefe das autoridades fiscais da Noruega.

“Nós vimos uma queda significativa, agora temos cerca de um décimo da quantidade de buscas que tínhamos antes. Acho que isso tem diminuído essa mentalidade bisbilhoteira das pessoas.”

Adeus bisbilhotagem

Há cerca de três milhões de pessoas pagando impostos na Noruega –a população do país é de 5,2 milhões. As autoridades fiscais contabilizaram 16,5 milhões de buscas no ano anterior ao da adoção das restrições.Hoje, existem apenas dois milhões de buscas por ano.

Em uma pesquisa recente, 92% das pessoas disseram que não procuravam informações sobre amigos, familiares ou conhecidos.
“Antes eu fazia essas buscas, mas agora fica visível se você fizer isso, então não faço mais”, disse Nelly Bjorge, uma mulher que conheci nas ruas de Oslo.

“Eu ficava curiosa sobre alguns vizinhos, sobre algumas celebridades… seria legal saber se pessoas muito ricas estavam burlando o sistema, mas você não consegue saber sempre, porque há muitas formas de conseguir reduzir sua renda (nos dados do governo).”

As listas de impostos apenas indicam o rendimento líquido das pessoas, os ativos líquidos e os impostos pagos. Alguém com uma grande quantidade de propriedades, por exemplo, provavelmente valeria muito mais do que o número encontrado nessas listas, porque o valor da propriedade tributável geralmente é muito inferior ao valor de mercado que ela tem atualmente.

Bullying

Hege Glad, uma professora de Fredrikstad, no sul de Oslo, lembra que, quando era mais nova, adultos costumavam filtrar para examinar os “enormes e grossos” livros de renda e dados tributários, publicados uma vez por ano.

“Sei que meu pai era um desses que ficava procurando. Quando voltava para casa, estava sempre de mau humor porque nossos vizinhos bem de vida estavam listados lá com pouca renda, sem nenhum ativo, e a maioria deles tinha muito pouco imposto para pagar”, contou.

Embora seja a favor da transparência nessa área, Glad admite que isso pode ter seus efeitos negativos. Foi o que ela pode constatar na escola.

“Lembro que uma vez eu estava entrando na escola e um grupo de garotos estava pronto para me dizer os rios de dinheiro que o pai de um dos meninos da sala ganhava”, disse.

“Depois percebi que alguns dos garotos que geralmente andavam com esse grupo haviam saído de perto calados. O clima entre eles não era dos melhores.”

Também havia histórias de crianças de famílias de classe mais baixa que acabaram sofrendo bullying na escola por colegas que bisbilhotavam a situação financeira de seus pais.

Mais segurança

Hans Christian Holte acredita que o governo hoje chegou ao equilíbrio. O fato de pesquisas anônimas não serem mais permitidas também inibe criminosos de pesquisarem pessoas ricas para colocar no alvo.

Mas as restrições não impediram que as pessoas continuassem denunciando quando vissem situações suspeitas. “Nós gostamos quando as pessoas fazem buscas que nos ajudam a investigar a evasão fiscal, e a quantidade de denúncias que continuamos recebendo não caiu”, disse ele.

“Talvez o prazer dos bisbilhoteiros tenha de uma certa forma acabado, mas você ainda tem motivos legítimos para fazer buscas no sistema. Conseguimos sentir os bons efeitos dessa transparência.”

CORREÇÃO: O texto informava incorretamente que a média de imposto de renda pago pelos brasileiros era de 27,5%. Na verdade, esse é o percentual máximo recolhido, sendo que há um grande número de pessoas no país isentas do pagamento.

Fonte: Controvérsia.

Deixe uma resposta