No topo da Vale e da Petrobras: quem é Murilo Ferreira?

Murilo Ferreira

Murilo Ferreira acumula desde esta quarta-feira 29 de abril, dois dos cargos de maior peso do mundo corporativo brasileiro. É, ao mesmo tempo, presidente da gigante de mineração Vale e presidente do Conselho de Administração da Petrobras em um momento particularmente decisivo para a história da companhia.

O executivo está à frente da Vale desde 2011, e em março o governo havia indicado seu nome para a presidência do colegiado da estatal petrolífera. Seu nome foi confirmado em uma assembleia geral de acionistas no final da tarde desta quarta-feira 29/04, sendo recebido com um misto de otimismo e cautela por analistas do setor.

Por um lado, há certo consenso de que a experiência que Ferreira acumulou na Vale pode contribuir para tirar a Petrobras da crise desatada pelas repercussões da Operação Lava Jato e aprofundada pela queda do preço do petróleo no mercado internacional.

Por outro – como ressaltam Fábio Gallo, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) – há incertezas sobre se o tempo que o executivo terá para analisar os negócios da petrolífera estatal será suficiente, dado suas responsabilidades na Vale e o fato de que a mineradora também passa por uma situação complicada.

Graduado em Administração de Empresas pela FGV e com MBA da IMD Business School em Lausanne, na Suíça, Ferreira tem mais de 30 anos de experiência no setor de mineração.

Já foi presidente das empresas Alunorte, Albras e da Mineração Vera Cruz e esteve nos conselhos da Mineração Rio do Norte, Valesul Alumínio, Usiminas, PT Inco (na Indonésia) e Vale New Caledonia.

Antes de presidir a Vale, chegou a trabalhar por uma década na empresa – de 1998 a 2008, sendo diretor da Vale do Rio Doce Alumínio e presidente da Vale Inco, no Canadá.

“Ferreira é um profissional bem respeitado no mercado, com uma capacidade já testada de lidar com situações difíceis”, opina Ricardo Kim, analista da XP Investimentos.

Gallo, da FGV, diz que quando o preço das commodities começou a cair, ele “agiu rápido” fazendo os ajustes necessários no direcionamento estratégico da Vale.

“Ferreira revisou as prioridades da empresa e anunciou uma série de desinvestimentos (venda de ativos ou descapitalização). Foi rápido e relativamente eficiente – o que poderia ser útil na Petrobras em um momento em que a empresa precisa de um choque de gestão”, opina.

“Além disso, tem muita experiência internacional e na negociação de commodities, o que também é interessante para a estatal.”

A Vale, porém, também está longe de navegar em águas tranquilas.

A mineradora deve anunciar seus resultados para o primeiro trimestre deste ano nesta quinta-feira e analistas do mercado preveem um prejuízo líquido de bilhões de dólares em função de fatores como o impacto da variação cambial nas contas da empresa (que tem boa parte de sua dívida em dólares), da queda do preço do minério e do desaquecimento da demanda da China.

Gallo lembra que o Conselho de Administração da Petrobras deve revisar os resultados, documentos do Conselho Fiscal e todas as decisões estratégicas da empresa, como as relativas a investimentos e vendas de ativos.

“Seu presidente precisa analisar uma série de documentos, se informar sobre o que está acontecendo na empresa, além de participar de reuniões bastante longas – como Ferreira vai achar tempo para fazer tudo isso?”, questiona o professor da FGV.

“A Petrobras precisa de gestores e consultores com bastante disponibilidade para se dedicar à empresa. E estar ao mesmo tempo à frente da Vale e do Conselho de Administração da estatal parece um trabalho sobre-humano”, concorda Pires.

Para Pires, há outros poréns na indicação do executivo.

O primeiro, segundo ele, é que é possível que haja ‘conflitos de interesse’ entre as duas empresas, que têm grande peso na economia brasileira. O Conselho da Petrobras, por exemplo, decide sobre os preços dos combustíveis no mercado doméstico – o que impacta nos custos da Vale.

Além disso, na opinião de Pires, Ferreira é visto “como uma figura de certa forma ligada ao governo”. O executivo foi indicado para a presidência da Vale depois que Roger Agnelli entrou em desacordo com o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a política de investimentos da empresa.

Na época, houve quem criticasse a queda de Agnelli como uma interferência política indevida na empresa (a Vale foi privatizada nos anos 1990, mas o governo ainda exerce influência na empresa por meio de fundos de pensão de estatais e do BNDES, que são seus acionistas).

“Acho que o Planalto até procurou nomes que seriam visto como mais independentes e figuras com mais disponibilidade, mas não achou outra alternativa. Não é qualquer um que topa assumir os riscos associados à gestão da crise que se instalou na Petrobras”, diz o diretor do CBIE.

Gallo, porém, discorda: “Não acho que haja dúvidas sobre essa questão da autonomia política, porque Ferreira tem uma carreira bastante sólida no mercado. Tanto que, após a queda de Agnelli, sua indicação para a Vale foi bem recebida.”

Fonte: Diario do Centro do Mundo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.