No carnaval alemão, Bolsonaro é retratado como “assassino do clima”

Além do presidente brasileiro, cidades alemãs criticaram ideias da extrema-direita como discursos racistas e xenófobos

CRÉDITOS: INA FASSBENDER / AFP.

O presidente Jair Bolsonaro foi tema de carros alegóricos durante os tradicionais desfiles carnavalescos na Alemanha, na segunda-feira 24. Em Düsseldorf, um carro alegórico trouxe o presidente brasileiro como um Cristo Redentor, com serras elétricas no lugar dos braços abertos. Nelas, lia-se“assassino do clima” e “Bolsonaro”. Em volta do boneco, havia tocos de árvores decepadas e ensaguentadas.

Outro detalhe também chamou a atenção no carro, mas teve que ser removido por recomendação de autoridades locais: o boneco trazia uma bandeira brasileira estampada em seu peito, com uma suástica nazista ao centro. Segundo promotores públicos, a representação representaria crime na Alemanha, emblemas e símbolos de organizações anticonstitucionais não são permitidos por lei.

O carnavalesco responsável pelo carro chegou a criticar a medida em entrevista à agência de notícias DPA. “Isso é um absurdo, porque impede que haja liberdade de sátira, mas nós seguimos. Bolsonaro agora tem um buraco no peito”, afirmou o carnavalesco.

Momentos depois, o próprio Ministério Público emitiu parecer diferente ao da primeira orientação, afirmando que, em uma análise mais aprofundada, a suástica deveria ser respaldada pela liberdade artística.

O presidente também foi representado em Colônia, onde um carro alegórico o representou segurando a bandeira do Brasil atada um palito de fósforo tamanho família, exibindo um largo sorriso, diante de árvores carbonizadas e sambistas seminuas e chamuscadas.

Também foram alvo das sátiras políticas o presidente russo, Vladimir Putin, seu colega chinês, Xi Jinping, o premiê britânico, Boris Johnson, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Também não faltaram figuras da política alemã. Uma das alegorias exibiu a chanceler federal alemã, Angela Merkel, junto à sua colega da CDU (União Democrata Cristã), Annegret Kramp-Karrenbauer, que comunicou recentemente sua renúncia como chefe do partido.

Críticas à extrema-direita também foram vistas durante as apresentações. Colônia representou sua famosa Catedral em lágrimas pelas vítimas do recente atentado terrorista em Hanau. Já Düsseldorf mostrou o racismo como uma arma mortal. Um dos carros alegóricos na cidade representou a cabeça de um homem enraivecido, com uma arma saindo de sua boca, em que se lia “racismo”. Na bochecha do boneco, a seguinte frase: “Palavras se tornam ações”.

A alegoria também chamava a atenção para os ataques a tiros em Hanau na última quarta-feira 18, que deixaram nove pessoas de origem estrangeira mortas. Depois do massacre, o terrorista voltou para casa, onde matou a mãe, de 72 anos, e cometeu suicídio. Numa carta de confissão e em vídeos, o atirador expõe pensamentos racistas, defendendo ideologias de extrema direita. “Não há apenas um perpetrador. Não é apenas aquele que atirou. Aqueles que prepararam mentalmente a ação também são responsáveis”, declarou o carnavalesco Tilly, referindo-se às pessoas que proferem discursos racistas, xenófobos e de extrema direita.

_

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.