“Nas convicções que estão na Bíblia, eu acredito”, diz ministro da Educação sobre “ideologia de gênero” e escola sem partido

“Eu sou um técnico. Cresci dentro da Primeira Igreja Batista do Rio e sou voltado para as questões da crença neotestamentária do núcleo evangélico tradicional, como as igrejas Batista, Metodista, Presbiteriana. Frequentei escola dominical desde dois anos de idade e hoje sou membro da Primeira Igreja Batista de Curitiba. Nas convicções que estão na Bíblia, no Novo Testamento, eu acredito. Uma questão de fé. É assim que procedo na minha vida”

Foto: Facebook

Nomeado às pressas para o lugar de Abraham Weintraub no Ministério da Educação, Carlos Alberto Decotelli, evangélico e oficial da reserva da Marinha, disse não ter conversando ainda com Jair Bolsonaro sobre bandeiras do presidente, como “ideologia de gênero” e escola sem partido, e tergiversou ao ser questionado sobre sua posição em relação ao tema.

“Eu sou um técnico. Cresci dentro da Primeira Igreja Batista do Rio e sou voltado para as questões da crença neotestamentária do núcleo evangélico tradicional, como as igrejas Batista, Metodista, Presbiteriana. Frequentei escola dominical desde dois anos de idade e hoje sou membro da Primeira Igreja Batista de Curitiba. Nas convicções que estão na Bíblia, no Novo Testamento, eu acredito. Uma questão de fé. É assim que procedo na minha vida”, disse, em entrevista a Jussara Soares na edição desta sexta-feira (26) do jornal O Estado de S.Paulo.

Primeiro negro a ocupar um ministério no governo Bolsonaro, Decotelli disse ainda que “o sistema de cotas é uma das políticas públicas que são positivas”, mas cobrou uma “autocrítica como brasileiros” ao ser indagado sobre o assunto.

“Eu vejo uma necessidade didático-pedagógica de nós chegarmos ao século 21 e dizer: 1Olha, não importa a sua etnia, não importa origem de raça ou de cor’. Você deve ter sonhos para buscar a sua realidade. Quando você constrói um pré-conceito, você está bloqueando sonhos, destruindo vidas. A minha motivação é que hoje haja inspiração para que no Brasil possamos refletir a autocrítica do que queremos como sociedade. Quanto menor quantidade de preconceito existir, melhor será a construção de oportunidades para que o ser humano se realize, independentemente de ele ter gênero masculino, gênero feminino, que seja negro ou asiático”, disse.

Segundo ele, a “grande pergunta” sobre a questão é: “Quais são as formas pelas quais as pessoas vão se sentir bem e iguais e como transformar seres humanos que etnicamente nasceram diferentes, mas com oportunidades iguais na convivência social?”.

“E essa pergunta passa por vários itens, incluindo a realidade das cotas, mas também símbolo, o apoio, o diálogo…”, respondeu.

Antes de deixar o MEC, Weintraub assinou, como último ato, um decreto extinguindo as cotas raciais para alunos de pós-graduação, que foi revertido dias depois pelo governo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.