Não, Israel não é uma democracia

Por Ilan Pappé, originalmente publicado na Jacobin Magazine.

Tradução por João Barreto Leite.

Aos olhos de muitos israelenses e seus apoiantes em todo o mundo – mesmo aqueles que podem criticar algumas de suas políticas – Israel é, no final do dia, um Estado democrático benigno, que buscaa paz com seus vizinhos e garantindo a igualdade a todos os cidadãos.

Aqueles que criticam Israel assumem que, se alguma coisa errou na democracia, foi devido à guerra de 1967. Nesta visão, a guerra corrompeu uma sociedade honesta e trabalhadora, oferecendo dinheiro fácil nos territórios ocupados, permitindo que grupos messiânicos entrem na política israelense e, acima de tudo, transformando Israel em uma entidade ocupante e opressiva nos novos territórios.

Israel antes de 1967 não era uma democracia

Antes de 1967, Israel definitivamente não poderia ter sido retratado como uma democracia. Como vimos em capítulos anteriores, o Estado submeteu um quinto de sua cidadania ao governo militar com base em regulamentos draconianos britânicos de emergência obrigatórios que negaram aos palestinos quaisquer direitos humanos ou civis básicos.

Os governadores militares locais eram os governantes absolutos da vida desses cidadãos: podiam elaborar leis especiais para eles, destruírem suas casas e meios de subsistência, e enviá-los para a prisão sempre que se sentiam assim. Somente no final da década de 1950, emergiu uma forte oposição judaica a esses abusos, que eventualmente aliviaram a pressão sobre os cidadãos palestinos.

Para os palestinos que viveram no Israel da pré-guerra e aqueles que viveram na Cisjordânia pós-1967 e na Faixa de Gaza, esse regime permitiu que mesmo o soldado de menor escalão das IDF (Forças de Defesa de Israel) governasse e destruísse suas vidas. Eles estavam indefesos se um soldado, ou sua unidade ou comandante, decidisse demolir suas casas, ou mantê-las por horas em um ponto de controle, ou encarcerá-las sem julgamento. Não havia nada que eles pudessem fazer.

Em todo momento, desde 1948 até hoje, havia algum grupo de palestinos passando por essa experiência.

O primeiro grupo a sofrer sob tal jugo foi a minoria palestina dentro de Israel. Começou nos primeiros dois anos de estadual quando foram empurrados para os guetos, como a comunidade palestina Haifa vivendo na montanha do Carmelo, ou expulsos das cidades habitadas por décadas, como Safad. No caso de Isdud, toda a população foi expulso para a Faixa de Gaza.

No campo, a situação era ainda pior. Os vários movimentos do Kibutz cobiçaram aldeias palestinas em terras férteis. Isso incluiu os kibutzim socialistas, Hashomer Ha-Zair, que supostamente estavam comprometidos com a solidariedade binacional.

Muito tempo depois de as lutas de 1948 terem diminuído, os aldeões em Ghabsiyyeh, Iqrit, Birim, Qaidta, Zaytun e muitos outros foram enganados para deixar suas casas por um período de duas semanas, o exército afirmando que precisava de suas terras para treinar, apenas para descobrir ao retornar que suas aldeias foram exterminadas ou entregues a outra pessoa.

Este estado de terror militar é exemplificado pelo massacre de Kafr Qasim de outubro de 1956, quando, na véspera da operação do Sinai, quarenta e nove cidadãos palestinos foram mortos pelo exército israelense. As autoridades alegaram que eles estavam atrasados voltando para casa do trabalho nos campos quando um toque de recolher foi imposto na aldeia. No entanto, esse não era o verdadeiro motivo.

As provas posteriores mostram que Israel considerou seriamente a expulsão de palestinos de toda a área chamada Wadi Ara e o Triângulo em que a aldeia estava localizada. Estas duas áreas – o primeiro um vale que liga Afula no leste e Hadera na costa mediterrânea; A segunda expandindo o interior do leste de Jerusalém – foram anexados a Israel sob os termos do acordo de armistício de 1949 com a Jordânia.

Como já vimos, um território adicional foi sempre bem recebido por Israel, mas um aumento na população palestina não foi. Assim, em todas as juntas, quando o estado de Israel se expandiu, procurou maneiras de restringir a população palestina nas áreas recentemente anexadas.

A operação “Hafarfert” foi o nome em código dado para um conjunto de propostas para a expulsão de palestinos quando uma nova guerra estourou com o mundo árabe. Muitos estudiosos hoje pensam que o massacre de 1956 foi uma corrida prática para ver se as pessoas na área poderiam ser intimidadas para sair.

Os perpetradores do massacre foram levados a julgamento graças à diligência e tenacidade de dois membros do Knesset: Tawaq Tubi do Partido Comunista e Latif Dori do Partido sionista esquerdo Mapam. No entanto, os comandantes responsáveis ??pela área e a própria unidade que cometeu o crime foram decepcionados, recebendo apenas pequenas multas. Esta foi mais uma prova de que o exército foi autorizado a fugir com o assassinato nos territórios ocupados.

A crueldade sistemática não mostra apenas o seu rosto em um grande evento como um massacre. As piores atrocidades também podem ser encontradas na presença diária e mundana do regime.

Os palestinos em Israel ainda não falam muito sobre esse período anterior a 1967, e os documentos dessa época não revelam o quadro completo. Surpreendentemente, é na poesia que encontramos uma indicação do que era viver sob o domínio militar.

Natan Alterman foi um dos poetas mais famosos e importantes de sua geração. Ele teve uma coluna semanal, chamada “A Sétima Coluna”, na qual comentou sobre os eventos que ele havia lido ou ouvido. Às vezes, ele omitiria detalhes sobre a data ou mesmo a localização do evento, mas daria ao leitor apenas informações suficientes para entender o que ele estava se referindo. Ele muitas vezes expressou seus ataques em forma poética:

“A notícia apareceu brevemente por dois dias e desapareceu. E ninguém parece se importar, e ninguém parece saber. Na vila distante de Um al-Fahem, Crianças – devo dizer cidadãos do estado – jogaram na lama E um deles parecia suspeito a um dos nossos valentes soldados que gritou para ele: pare! Um pedido é uma ordem Um pedido é uma ordem, mas o menino tolo não aguentou, ele fugiu Então nosso bravo soldado disparou, não é de admirar, e matou o menino. E ninguém falou sobre isso.”

Em uma ocasião, ele escreveu um poema sobre dois cidadãos palestinos que foram baleados em Wadi Ara. Em outro caso, ele contou a história de uma mulher palestina muito doente que foi expulso com seus dois filhos, com três e seis anos, sem explicação, e enviada pelo rio Jordão. Quando ela tentou retornar, ela e seus filhos foram presos e colocados em uma prisão de Nazaré.

Alterman esperava que seu poema sobre a mãe movesse corações e mentes, ou pelo menos provocasse alguma resposta oficial. No entanto, ele escreveu uma semana depois:

“E este escritor assumiu erroneamente Que a história seria negada ou explicada, mas nada, nem uma palavra.”

Há mais provas de que Israel não era uma democracia antes de 1967. O Estado prosseguiu uma política de tiroteio para os refugiados tentando recuperar suas terras, culturas e pecuária, e organizou uma guerra colonial para derrubar o regime de Nasser no Egito. Suas forças de segurança também foram desencadeadas, matando mais de cinquenta cidadãos palestinos durante o período de 1948 a 1967.

A subjugação de minorias em Israel não é democrática

A reivindicação de ser uma democracia também é questionável quando se examina a política orçamentária em torno da questão da terra. Desde 1948, os conselhos municipais e municípios palestinos receberam muito menos recursos do que os seus homólogos judeus. A escassez de terras, aliada à escassez de oportunidades de emprego, cria uma realidade socioeconômica anormal.

Por exemplo, a comunidade palestina mais afluente, a aldeia de Me’ilya na Alta Galileia, ainda está em pior situação do que a cidade de desenvolvimento judaica mais pobre do Negev. Em 2011, o Jerusalem Post informou que “a renda média judaica era 40% a 60% maior do que a renda árabe média entre os anos de 1997 a 2009.”.

Hoje, mais de 90% da terra é de propriedade do Jewish National Fund (JNF). Os proprietários de terras não têm permissão para se envolver em transações com cidadãos não judeus e as terras públicas são priorizadas para o uso de projetos nacionais, o que significa que novos assentamentos judaicos estão sendo construídos, enquanto quase não há novos assentamentos palestinos. Assim, a maior cidade palestina, Nazaré, apesar da triplicação de sua população desde 1948, não expandiu um quilômetro quadrado, enquanto a cidade de desenvolvimento construída acima dela, Upper Nazareth, triplicou em tamanho, em terras expropriadas de proprietários palestinos.

Outros exemplos desta política podem ser encontrados em aldeias palestinas em toda a Galiléia, revelando a mesma história: como eles foram reduzidos em 40%, às vezes até 60%, desde 1948, e como novos assentamentos judeus foram construídos em terras expropriadas

Em outros lugares, isso iniciou tentativas de “judaização”. Depois de 1967, o governo israelense ficou preocupado com a falta de judeus que vivem no norte e no sul do estado e planejava aumentar a população nessas áreas. Essa mudança demográfica exigiu o confisco de terras palestinas para a construção de assentamentos judaicos.

Pior ainda foi a exclusão dos cidadãos palestinos desses assentamentos. Esta violação contundente do direito de um cidadão a viver onde ele ou ela deseja continua hoje, e todos os esforços das ONGs de direitos humanos em Israel para desafiar este apartheid acabaram até o final em falha total.

O Supremo Tribunal em Israel apenas pôde questionar a legalidade desta política em alguns casos individuais, mas não em princípio. Imagine se, no Reino Unido ou nos Estados Unidos, cidadãos judeus ou católicos foram proibidos pela lei de viver em determinadas aldeias, bairros ou talvez cidades inteiras? Como essa situação pode ser conciliada com a noção de democracia?

A Ocupação não é democrática

Assim, dada a sua atitude em relação a dois grupos palestinos – os refugiados e a comunidade em Israel – o Estado judeu não pode ser assumido, por qualquer extensão da imaginação, como uma democracia.

Mas o desafio mais óbvio para essa suposição é a implacável atitude israelense em relação a um terceiro grupo palestino: aqueles que viveram sob seu governo direto e indireto desde 1967, em Jerusalém Oriental, Cisjordânia e Faixa de Gaza. A partir da infra-estrutura legal implementada no início da guerra, através do poder absoluto inquestionável dos militares dentro da Cisjordânia e fora da Faixa de Gaza, a humilhação de milhões de palestinos como rotina diária, a “única democracia” em O Oriente Médio se comporta como uma ditadura do pior tipo.

A principal resposta israelense, diplomática e acadêmica, a esta última acusação é que todas essas medidas são temporárias – elas mudarão se os palestinos, onde quer que estejam, se comportam “melhor”. Mas se alguém pesquisar, para não mencionar, as pessoas em territórios ocupados, entenderemos como esses argumentos são ridículos.

Os decisores políticos israelenses, como vimos, estão determinados a manter a ocupação viva enquanto o estado judeu permanecer intacto. Faz parte do que o sistema político israelense considera como o status quo, que é sempre melhor do que qualquer mudança. Israel controlará a maioria da Palestina e, como sempre incluirá uma população palestina substancial, isso só pode ser feito por meios não democráticos.

Além disso, apesar de todas as evidências do contrário, o Estado israelense afirma que a ocupação é iluminada. O mito aqui é que Israel veio com boas intenções para conduzir uma ocupação benevolente, mas foi forçado a adotar uma atitude mais dura por causa da violência palestina.

Em 1967, o governo tratou a Cisjordânia e a Faixa de Gaza como uma parte natural de “Eretz Israel”, a terra de Israel, e essa atitude continuou desde então. Quando você olha o debate entre os partidos de direita e de esquerda em Israel sobre esta questão, seus desentendimentos foram sobre como alcançar esse objetivo e não sobre sua validade.

Entre o público em geral, no entanto, havia um verdadeiro debate entre o que se poderia chamar de “redentores” e “guardiões”. Os “redentores” acreditavam que Israel havia recuperado o antigo coração de sua terra natal e não poderia sobreviver no futuro sem ele . Em contraste, os “guardiões” argumentaram que os territórios deveriam ser trocados pela paz com a Jordânia, no caso da Cisjordânia e do Egito no caso da Faixa de Gaza. No entanto, este debate público teve pouco impacto na forma como os principais decisores políticos estavam descobrindo como governar os territórios ocupados.

A pior parte dessa suposta “ocupação esclarecida” tem sido o método do governo para gerenciar os territórios. Inicialmente, a área foi dividida em espaços “judeus” árabes e potenciais. As áreas densamente povoadas com palestinos tornaram-se autônomas, administradas por colaboradores locais sob um domínio militar. Este regime só foi substituído por uma administração civil em 1981.

As outras áreas, os espaços “judeus”, foram colonizados com assentamentos e bases militares judaicas. Esta política tinha como objetivo deixar a população tanto na Cisjordânia quanto na Faixa de Gaza em enclaves desconectados sem espaços verdes nem possibilidade de expansão urbana.

As coisas só pioraram quando, muito logo após a ocupação, Gush Emunim começou a se estabelecer na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, afirmando estar seguindo um mapa bíblico de colonização e não governamental. À medida que penetraram nas áreas palestinas densamente povoadas, o espaço deixado para os locais foi reduzido ainda mais.

O que cada projeto de colonização necessita principalmente é a terra – nos territórios ocupados isso foi alcançado apenas através da expropriação maciça de terras, deportando pessoas de onde viveram por gerações e confinando-as em enclaves com habitats difíceis.

Quando você voa sobre a Cisjordânia, você pode ver claramente os resultados cartográficos desta política: cintos de assentamentos que dividem a terra e esculpir as comunidades palestinas em comunidades pequenas, isoladas e desconectadas. Os cinturões de judaização separam aldeias de aldeias, aldeias de cidades e, em algum momento, dividem em uma única aldeia.

Isto é o que os estudiosos chamam de geografia do desastre, não menos importante, uma vez que essas políticas acabaram sendo também um desastre ecológico: secando fontes de água e arruinando algumas das partes mais bonitas da paisagem palestina.

Além disso, os assentamentos tornaram-se barulhos em que o extremismo judaico cresceu incontrolavelmente – as principais vítimas dos quais eram os palestinos. Assim, o assentamento em Efrat arruinou o patrimônio mundial do Vale de Wallajah, perto de Belém, e a vila de Jafneh, perto de Ramallah, famosa por seus canais de água doce, perdeu sua identidade como atração turística. Estes são apenas dois pequenos exemplos de centenas de casos semelhantes.

Destruir as casas dos palestinos não é democrático

A demolição de casas não é um fenômeno novo na Palestina. Tal como acontece com muitos dos métodos mais bárbaros de punição colectiva utilizados por Israel desde 1948, foi concebido e exercido pela primeira vez pelo governo britânico obrigatório durante a Grande Revolta árabe de 1936-1939.

Este foi o primeiro levante palestino contra a política pro-sionista do mandato britânico, e levou três anos do exército britânico para reprimi-lo. No processo, demoliram cerca de duas mil casas durante as várias penas coletivas levadas a cabo para a população local.

Israel demoliu casas desde quase o primeiro dia de sua ocupação militar da Cisjordânia e da Faixa de Gaza. O exército explodiu centenas de casas a cada ano em resposta a vários atos realizados por membros individuais da família.

Das violações menores do regime militar à participação em atos violentos contra a ocupação, os israelenses foram rápidos em enviar seus buldózeres para eliminar não apenas um edifício físico, mas também um foco de vida e existência. Na maior área de Jerusalém (como no interior de Israel), a demolição também era uma punição para a extensão não licenciada de uma casa existente ou a falta de pagamento de contas.

Outra forma de castigo coletivo que retornou recentemente ao repertório israelense é a de bloquear casas. Imagine que todas as portas e janelas da sua casa são bloqueadas por cimento, argamassa e pedras, para que não possa voltar ou recuperar qualquer coisa que você não tenha retirado no tempo. Olhei com dificuldade em meus livros de história para encontrar outro exemplo, mas não encontrei nenhuma evidência de uma medida tão insensível praticada em outro lugar.

Esmagar a resistência palestina não é democrático

Finalmente, sob a “ocupação esclarecida”, os colonos foram autorizados a formar bandos de vigilantes para perseguir pessoas e destruir suas propriedades. Essas gangues mudaram sua abordagem ao longo dos anos.

Durante a década de 1980, eles usaram o terror real – de ferir líderes palestinos (um deles perdeu as pernas em um ataque desse tipo), para contemplar explodir as mesquitas de Haram al-Sharif em Jerusalém.

Neste século, eles se envolveram no assédio diário de palestinos: arrancando suas árvores, destruindo seus rendimentos e disparando aleatoriamente em suas casas e veículos. Desde 2000, houve pelo menos uma centena desses ataques reportados por mês em algumas áreas, como Hebron, onde os quinhentos colonos, com a colaboração silenciosa do exército israelense, assediaram os moradores locais nas proximidades de uma maneira ainda mais brutal.

Desde o início da ocupação, os palestinos receberam duas opções: aceitar a realidade do encarceramento permanente em uma prisão por muito tempo, ou arriscar o poder do mais forte exército do Oriente Médio. Quando os palestinos resistiram – como fizeram em 1987, 2000, 2006, 2012, 2014 e 2016 – foram alvo de soldados e unidades de um exército convencional. Assim, aldeões e cidades foram bombardeadas como se fossem bases militares e a população civil desarmada fosse baleada como se fosse um exército no campo de batalha.

Hoje sabemos muito sobre a vida sobre ocupação, antes e depois de Oslo, para levar a sério a afirmação de que a não resistência irá garantir menos opressão. As prisões sem julgamento, como experimentado por muitos ao longo dos anos; a demolição de milhares de casas; matar e ferir o inocente; o esgoto dos poços de água – todos são testemunho de um dos regimes contemporâneos mais severos da nossa época.

A Anistia Internacional documenta anualmente de forma abrangente a natureza da ocupação. O que se segue é o relatório de 2015:

Na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, as forças israelenses cometiam homicídios ilegais de civis palestinos, inclusive crianças, e detiveram milhares de palestinos que protestavam ou se opunham de outra forma à ocupação militar israelense, mantendo centenas em detenção administrativa. A tortura e outros maus tratos permaneceram retidos e cometidos com impunidade.

As autoridades continuaram a promover os assentamentos ilegais na Cisjordânia e restringiram severamente a liberdade de movimento dos palestinos, restringindo ainda mais as restrições em meio a uma escalada de violência de outubro, que incluiu ataques contra civis israelenses por palestinos e aparentes execuções extrajudiciais por parte das forças israelenses. Os colonos israelenses na Cisjordânia atacaram os palestinos e seus bens com virtual impunidade. A Faixa de Gaza permaneceu sob um bloqueio militar israelense que impunha punição coletiva aos seus habitantes. As autoridades continuaram a demolir casas palestinas na Cisjordânia e dentro de Israel, particularmente nas aldeias beduínas na região de Negev / Naqab, expulsando à força seus moradores”.

Vamos fazer isso por etapas. Em primeiro lugar, assassinatos – o relatório da Anistia chama “assassinatos ilegais”: cerca de quinze mil palestinos foram mortos “ilegalmente” por Israel desde 1967. Entre eles havia duas mil crianças.

Prender palestinos sem julgamento não é democrático

Outra característica da “ocupação esclarecida” é a prisão sem julgamento. Um a cada cinco palestinos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza passou por essa experiência.

É interessante comparar esta prática israelense com políticas americanas similares no passado e no presente, já que críticas do boicote, desinvestimento e movimento de sanções afirmam que as práticas dos EUA são muito pior. Na verdade, o pior exemplo americano foi a prisão sem julgamento de cem mil cidadãos japoneses durante a Segunda Guerra Mundial, com trinta mil posteriormente detidos sob a chamada “guerra contra o terror”.

Nenhum desses números chega mesmo perto do número de palestinos que experimentaram esse processo: incluindo o jovem, o velho e o encarcerado de longo prazo.

A detenção sem julgamento é uma experiência traumática. Não conhecer as acusações contra você, não ter contato com um advogado e quase nenhum contato com sua família são apenas algumas das preocupações que o afetarão como prisioneiro. Mais brutalmente, muitas dessas prisões são usadas como meios para pressionar as pessoas na colaboração.

A propagação de rumores ou humilhar pessoas que demonstram a sua real orientação sexual também são frequentemente usadas como métodos para alavancar a cumplicidade fazendo com que mais pessoas sejam presas sem julgamento.

Quanto à tortura, o site confiável do Middle East Monitor publicou um artigo angustiante descrevendo os duzentos métodos usados pelos israelenses para torturar palestinos. A lista é baseada em um relatório da ONU e um relatório da organização israelense de direitos humanos B’Tselem. Entre outros métodos, inclui pancadas, encadeamento de prisioneiros a portas ou cadeiras por horas, despejando água fria e quente sobre eles, afastando os dedos e torcendo os testículos.

Israel não é uma democracia

O que devemos desafiar aqui, portanto, não é apenas a afirmação de Israel de manter uma ocupação esclarecida, mas também sua pretensão de ser uma democracia. Esse comportamento em relação a milhões de pessoas sob seu governo dá a mentira o tal embelezamento político necessário para manter o status quo.

No entanto, embora grandes setores de sociedades civis em todo o mundo negam a Israel sua pretensão à democracia, suas elites políticas, por uma variedade de razões, ainda tratam como membro do clube exclusivo dos estados democráticos. De muitas maneiras, a popularidade do movimento de boicote, desinvestimento e movimento de sanções reflete as frustrações dessas sociedades com as políticas dos governos em relação a Israel.

Para a maioria dos israelenses, esses contra-argumentos são irrelevantes, na melhor das hipóteses, e maliciosos na pior das hipóteses. O estado de Israel se apega à visão de que é um ocupante benevolente. O argumento para a “ocupação esclarecida” propõe que, de acordo com o cidadão judeu médio em Israel, os palestinos estão muito melhores sob a ocupação e não têm nenhuma razão no mundo para resistir, e muito menos pela força. Se você é um defensor não crítico de Israel no exterior, você também aceita esses pressupostos.

Existem, no entanto, seções da sociedade israelense que reconhecem a validade de algumas das reivindicações feitas aqui. Na década de 1990, com vários graus de convicção, um número significativo de acadêmicos, jornalistas e artistas judeus expressaram suas dúvidas sobre a definição de Israel como democracia.

É preciso muita coragem para desafiar os mitos fundamentais da própria sociedade e do estado. É por isso que alguns deles mais tarde se retiraram desta posição corajosa e voltaram a seguir a linha geral.

No entanto, durante algum tempo durante a última década do século passado, eles produziram obras que desafiaram a assunção de um Israel democrático. Eles retrataram Israel como pertencente a uma comunidade diferente: a das nações não democráticas. Um deles, o geógrafo Oren Yiftachel da Universidade Ben-Gurion, descreveu Israel como uma etnocracia, um regime que governa um estado étnico misto com uma preferência legal e formal para um grupo étnico sobre todos os outros. Outros foram mais longe, etiquetando Israel como um estado de apartheid ou um estado colono-colonial.

Em suma, qualquer descrição que esses estudiosos críticos ofereçam, a “democracia” não estava entre eles.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.