Museu Nacional: como nascem e se reproduzem as desinformações

Notícia falsa sobre financiamento publicada no Globo e na Folha ganha redes sociais e alimenta mais distorções sobre gestão da instituição.

Bombeiros e Defesa Civil trabalham após incêndio no Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, na zona norte do Rio.Foto Tomaz Silva/Agência Brasil

Por Bia Barbosa.

A tragédia que, na noite do último domingo (2), destruiu o prédio principal e a maior parte do acervo do Museu Nacional no Rio de Janeiro também foi marcada pela desinformação – algo que tem se tornado corrente em episódios de grande repercussão no país. Mal os bombeiros tinham conseguido conter as chamas que tomaram conta do Palácio Imperial da Quinta da Boa Vista, toda sorte de números, comparativos, análises e “fatos” tomaram conta do debate público, na internet e na imprensa tradicional. Candidatos à Presidência da República foram chamados a se pronunciar sobre o ocorrido e apresentar propostas para a área da cultura e da pesquisa, sempre tão esquecidas nos temas de campanha.

A polarização que caracteriza o atual momento brasileiro também marcou as declarações de políticos, autoridades e dos cidadãos, que ocuparam as redes sociais com o tema nos últimos dias. De um lado, a crítica às políticas de austeridade que atingiram o Museu nos últimos governos, com destaque para a Emenda Constitucional 95, projeto de Michel Temer, que congelou os gastos também na área da educação pelos próximos 20 anos, deixando universidades como a UFRJ, que gere o Museu Nacional (MN), ainda mais na penúria. De outro, argumentos sobre a suposta incapacidade de uma instituição pública, que estaria inchada de funcionários despreparados e encostados, gerir um museu desta importância.

Em meio ao jogo de empurra sobre os responsáveis pelo incêndio, uma denúncia da maior gravidade ganhou as páginas do jornal O Globo, o maior do Rio de Janeiro e um dos maiores do país. No dia seguinte ao incêndio, em 3 de setembro, o veículo cravou: “Museu Nacional teve proposta de US$ 80 milhões do Banco Mundial. Reforma foi rejeitada pela UFRJ há cerca de 20 anos, pois implicava em transformar a instituição em fundação de direito privado”. A matéria, baseada num post de Facebook do sociólogo Simon Schwartzman, ex-presidente do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (Iets), informava que, havia duas décadas, o ex-prefeito do Rio e empresário do setor de celulose, Israel Klabin, tinha obtido recursos no exterior para reformar a instituição, mas a operação não tinha sido possível porque a UFRJ não abria mão de seu controle.

Segundo O Globo, o Banco Mundial “impunha como condição à liberação dos recursos que o museu tivesse gestão independente. A ideia era transformá-lo em organização social, entidade privada sem fins lucrativos que recebe subvenção do estado para prestar serviços de interesse público”. O jornal não conseguiu falar com o Museu Nacional e com a UFRJ até a publicação da matéria (por que será que estavam tão ocupados naquele momento?), tampouco com Israel Klabin. Mesmo assim, publicou o texto.

Às 8h36 da manhã do dia seguinte, na quarta, repercutindo a matéria de O Globo, o MBL (Movimento Brasil Livre) escreveu em sua página no Facebook que “a ideologia mata nossa cultura”. O post já teve mais de 14 mil curtidas e 15 mil compartilhamentos. Outros dois, tratando do mesmo tema, alcançaram juntos 8 mil compartilhamentos. Kim Kataguiri, candidato do MBL à Câmara dos Deputados, também publicou um vídeo em que comenta a matéria do jornal. Já foi visto por mais de 77 mil pessoas.

Naquela tarde, a Folha de S.Paulo também publicaria a seguinte manchete: “Há 20 anos, universidade recusou verba para reforma de museu incendiado. Banco Mundial previu repassar US$ mi para instituição nos anos 1990”. O jornal se baseou em entrevista do Brazil Journal com Israel Klabin. Também não conseguiu falar com o Museu Nacional e a UFRJ antes da publicação, mas afirmou: “o dinheiro nunca saiu do papel por um veto da UFRJ”. Contraditoriamente ao próprio título da reportagem, a matéria da Folha diz, bem adiante, que o Banco Mundial declarou “não ser possível determinar quem foi o responsável pela não formalização da proposta” e que “o fim das conversas não estaria ligado a alguma condição específica exigida pelo Banco Mundial”. Como explicar a manchete sobre “recusa da verba pela UFRJ” então, se uma das partes negou a declaração do empresário dada a outro jornal e a outra parte envolvida (o Museu) não pode ser ouvida? O estrago estava feito.

Horas depois, o professor titular do Programa de Pós-Gradução em Antropologia Social do Museu Nacional, Antonio Carlos de Souza Lima, fazia um apelo para que todos compartilhassem nas redes sociais a informação correta sobre o ocorrido, que o jornalismo de O Globo não conseguiu apurar e que a Folha distorceu. Segundo ele, “nunca houve tal interdição, assim como nunca houve a intenção de transformar o Museu Nacional numa OS [Organização Social] ou fundação independente. A verdade é que após meses de trabalho conjunto de uma comissão do Museu Nacional com técnicos do Banco Mundial durante a gestão do Prof. Luiz Fernando Dias Duarte no MN, o banco simplesmente descontinuou as negociações. Os documentos que comprovam tudo isso perderam-se com o fogo, as mentiras viram verbete da wikipedia no mesmo dia em que saem num periódico de repercussão nacional, em vozes que nunca tiveram qualquer relação com nosso Museu, nem com a universidade, nem fizeram parte de qualquer negociação e muito menos se preocuparam com o patrimônio nacional”.

Nesta quinta (05/09), a BBC News Brasil publicou matéria destacando a nota do Banco Mundial, confirmando a declaração do professor do Museu e negando o estabelecimento de condições para a confirmação do financiamento. Mas já era tarde, e a desinformação provocada por O Globo e reforçada pela Folha continua circulando pela Internet, reforçada não apenas pelo MBL, mas por outros jornalistas, como o apresentador Milton Neves, da Rádio Bandeirantes AM e BandNews FM, que escreveu indignado em seu Tweeter sobre o “fato”.

O Projeto Comprova, que reúne diversos veículos da imprensa – incluindo a Folha – num esforço de checagem cruzada de informações consideradas relevantes para o debate público, não corrigiu a informação. Até o fechamento deste artigo, agência de checagens Aos Fatos também não, tendo publicado sobre o Museu Nacional um texto que fala sobre a falta de verbas que atinge a instituição desde a década de 1950 e outro sobre sites que teriam publicado informações falsas sobre investimentos do BNDES no órgão. A Lupa, outra agência de checagem, também não tratou do erro de O Globo. Suas duas checagens sobre o Museu Nacional foram sobre um comparativo que circulava nas redes sociais sobre o orçamento do MN e valores de projetos aprovados pela Lei Rouanet e, outra, sobre projetos de financiamento do próprio Museu também pela Lei Rouanet. Obviamente, a iniciativa “Fato ou Fake”, das Organizações Globo, não falou desse “fake” da sua empresa.

A Reitoria da UFRJ lançou nota pública preocupada “com a difusão de informações imprecisas e incorretas sobre a questão orçamentária da Universidade, que estão retirando do foco central o Museu Nacional, a perda de acervo e o significado disso para a nação brasileira”. Não há menção específica ao episódio de financiamento do Banco Mundial. Segundo o texto, “em razão dos cortes, a UFRJ prevê que fechará este ano com déficit de R$ 160 milhões”.

O jogo político da desinformação

Em meio ao contexto eleitoral, entretanto, o incêndio no Museu Nacional não ficou apenas no debate “Estado mínimo x ampliação de recursos para a educação, a ciência e a cultura”. A atual gestão da UFRJ, que tomou posse em 2015, também entrou na berlinda. E, em sabatina na GloboNews, na terça-feira, a senadora Ana Amélia (Progressistas/RS), candidata a vice-Presidente na chapa de Geraldo Alckmin, declarou que o PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) era culpado pelo incêndio.

Ana Mélia levou, para a TV, sem nenhum questionamento de seus entrevistadores, a campanha que o MBL – do qual é aliada, já tendo sido considerada por Kataguiri um de seus “quadros” – começara pela manhã na Internet. Com o vídeo “Dedos do PSOL no Museu em Chamas”, visto por 54 mil pessoas, o MBL deu início a uma série de postagens afirmando que a Reitoria da UFRJ é controlada pelo partido. Um deles, com a chamada “Cadê o dinheiro, PSOL?”, teve cerca de 5 mil compartilhamentos. Outros, somados, dobraram este número nos últimos dias. O último vídeo, publicado na noite desta quarta, diz que “o reitor da UFRJ, Roberto Leher, filiado ao PSOL (…) apoia o movimento terrorista MST”. Foi assistido por 21 mil pessoas em apenas uma hora.

Além de Ana Amélia, o também senador Magno Malta (PR/ES), candidato à reeleição, falou em Plenário esta semana sobre os diretores da UFRJ filiados ao PSOL e PCdoB. A deputada estadual no Rio de Janeiro, Cidinha Campos (PDT), gravou um depoimento virtual acusando os socialistas e comunistas. Nesta quarta-feira (05/09), a Folha de S. Paulo estampou, sem ouvir o partido: “Reitoria da UFRJ é comandada por filiados ao PSOL; entenda”. Na matéria, o jornal publicou a declaração do candidato Jair Bolsonaro (PSL) falando em “indicação política”. “Os partidos se aproveitam, vendem seu voto aqui dentro como regra para que a administração seja deficitária e lucrativa para eles individualmente”, disse o presidenciável, segundo a Folha.

Em nota, a Executiva do PSOL repudiou as tentativas de responsabilizar a reitoria da UFRJ e o partido pelo incêndio. Defendeu o comprometimento de Leher “com a defesa da educação pública, gratuita e de qualidade e a ampliação dos investimentos públicos necessários para isso”. E lembrou que o reitor foi, na verdade, eleito, com amplo apoio da comunidade acadêmica. Como a desinformação sobre indicação política segue nas redes, o presidente do partido, Juliano Medeiros, divulgou vídeo na noite de quarta explicando, novamente, que o reitor da UFRJ e sua administração são eleitos pela comunidade acadêmica. “Não aceitaremos mentiras e calúnias que tentem colocar o povo brasileiro, em especial do Rio de Janeiro, contra o nosso partido”, afirmou.

Atualmente, o PSOL tem o maior número de seus parlamentares federais vindos do Rio de Janeiro. Nas últimas eleições municipais, chegou ao segundo turno da capital fluminense com Marcelo Freixo.

A última notícia – a se confirmar –, publicada pelo blogueiro Vicente Nunes, do Correio Braziliense, é a de que banqueiros pediram a cabeça de Roberto Leher a Michel Temer. Esta seria a condição para darem dinheiro para a reconstrução do Museu Nacional. Teriam estado presentes na conversa o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal, e do Banco do Brasil, Caixa, Bradesco, Itaú Unibanco, Santander, Safra e BGT Pactual. Segundo o blogueiro, os banqueiros gostariam que a administração do MS fosse entregue a uma OS. O jornalista afirma que o modelo não é uma “espécie disfarçada de privatização”. Pelo visto, o debate sobre o Museu Nacional ainda será alimentado por boas doses de desinformação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.