Mulheres camponesas lançam campanha “Sementes da resistência: Rumo ao II congresso do MMC”

Foto: Divulgação MMC.

Historicamente, as comunidades camponesas, quilombolas e indígenas foram as guardiãs de uma imensa variedade de plantas alimentícias, medicinais, ornamentais, entre outros usos. Foram estes povos os responsáveis por guardar, multiplicar e repassar, de geração em geração, os conhecimentos acerca da agrobiodiversidade.
.
Devido à sua importância (gourmetização de certos alimentos, novos fármacos e cosméticos, cultivares resistentes a doenças e insetos etc.) e, principalmente, para se ter o controle sobre a biodiversidade, percebe-se um avanço voraz do capital sobre as sementes.
.
Por isso, é necessário reafirmar que as sementes crioulas pertencem aos povos. Assim, o Movimento de Mulheres Camponesa (MMC Brasil) está lançando a campanha “SEMENTES DA RESISTÊNCIA: RUMO AO II CONGRESSO DO MMC”. A ação está articulada à Via Campesina Internacional, que está relançando a campanha “Sementes: patrimônio dos povos a serviço da humanidade”.
.
O objetivo da campanha é resgatar e multiplicar variedades de sementes crioulas pelas mãos de mulheres das diferentes regiões do país. Um resgate que busca recuperar não apenas a planta em si, mas toda história que cada variedade possui, trazendo receitas, novas formas de preparo, informações sobre como cultivar, cuidar e multiplicar. Conhecimentos estes que favorecem a resiliência dos cultivos às mudanças climáticas, contribuindo com a preservação da biodiversidade e com a soberania alimentar dos povos.
.
Acreditamos no poder transformador das sementes, que podem passar algum tempo escondidas, guardadas ou esquecidas, mas que, quando encontram uma terra fértil e úmida, são capazes de fazer a revolução: de germinar, crescer, florescer, frutificar e multiplicar!
.
As sementes representam o elo entre o passado e o futuro. E nós temos a missão de cuidar das sementes, assim como devemos cuidar da nossa própria existência enquanto seres humanos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.