MPE de Santa Catarina investigará processo do empreendimento da OSX

Entrevista feita por Vera Gasparetto para PortoGente e tomada de www.sambaquinarede2.blogspot.com

Foto de Celso Martins.

A autorização para a construção do estaleiro da OSX, empresa do Grupo EBX de Eike Batista, não pode sofrer qualquer tipo de pressão, seja do mercado financeiro ou de notícias de que o negócio pode ser transferido para outro estado. A observação é do promotor do Ministério Público do Estado em Santa Catarina, Rui Arno Richter. Em entrevista ao PortoGente, Richter informou que o MPE vai estudar todo o processo realizado até agora e que não se deve ter pressa nesse momento. Na segunda parte da entrevista, que será publicada no dia 3 próximo, o promotor elogia o trabalho realizado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) de Santa Catarina.

Foto: Celso Martins da Silveira Júnior

PortoGente – O que o senhor considera mais grave em todo esse processo?
Rui Arno Richter
– É difícil destacar um ponto específico. Temos questionamentos no conjunto, especialmente na forma como foram tratadas as demais alternativas locacionais, com argumentos rápidos, sem aprofundamento, como é o caso da alternativa de Itajaí, que já tem uma estrutura para isso. Os parâmetros de comparação que levaram ao descarte das demais alternativas não ficaram claros.

PortoGente – Qual será o papel do MPE?
Richter
– O MPE está se inserindo na análise. Também estamos analisando melhor as repercussões na qualidade de vida da população da própria Biguaçu, os reflexos potenciais na pesca e na maricultura e num conjunto de atividades econômicas instaladas que poderão ser afetadas na ilha também. Quero me aprofundar no assunto porque os habitantes de Florianópolis precisam ser contemplados nesse estudo.

PortoGente – Como o MPE conduzirá a investigação?
Richter
– Trabalho na perspectiva da comarca da Capital e tem também o inquérito civil da comarca de Biguaçu. A partir de agora vamos reunir mais elementos, fazer um trabalho conjunto. Esperamos o posicionamento final do ICMBio, já que foi dito que Brasília teria um encaminhamento com a Fatma, mas que ficou só na notícia, não tem documento oficial sobre isso. Aguardamos uma posição técnica, mas será elaborada uma análise do Eia-Rima dentro dos prazos, que devem ser estendidos porque o caso é mais complexo do que o normal. Vamos pontuar as questões que para nós tecnicamente não estão esclarecidas.

PortoGente – O que o senhor pensa sobre a dicotomia que se criou a favor (o crescimento) e contra (os ecoxiitas)?
Richter
– Não se sabe de onde parte a informação da possibilidade de transferência para outro local que criou a fobia da perda do investimento, risco colocado pelo outro lado. O ser humano vive com medo, pelo princípio da precaução, o empreendimento pode afetar a qualidade de vida, por outro lado tem o medo da falta de renda. A imprensa deu que pode ir para o Rio de Janeiro, mas não sei se é uma troca, ou se lá é mais um estaleiro. Não parece que é uma troca. Também não sei de onde saiu essa coisa de prazo, a mídia pressiona pelo prazo, atribuem à Bolsa [de Valores].

1 COMENTÁRIO

  1. Olá.
    Não sou bióloga, especialista em meio ambiente, mas tenho bastante conhecimento e experiência pra dar minha opinião sobre tal assunto. Acho que, se existe muita gente, estudos e manifestos contra tal empreendimento, boa coisa ele não é. Sempre ouvi falar, e há bastante tempo, que esses investimentos são pro bem da população, que vai gerar empregos,etc, mas, na maioria das vezes, só vejo alguns poucos ganharem muito dinheiro com isso e destruírem o que tem em volta. Já deu pra ver que existe ou vai existir muita corrupção neste caso. Não precisa ser muito inteligente e perspicaz pra se notar tal coisa. Tás tolo? Tás pensando que nasci ontem, istepô?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.