Movimentos repudiam agressões a mulheres militantes no Pará

Foto: Divulgação MST.

Movimentos populares lançaram ontem, segunda;feira 17 um nota de repúdio contra as agressões  sofridas por mulheres militantes. O texto exige a imediada investigação e punição do responsáveis, bem com afirma que: Não podemos aceitar que uma sociedade que lutou mais de vinte anos pela retomada da democracia compactue com formas de violação de direitos e respeito aos humanos.

Acompanhe:

As organizações abaixo assinadas vem a público repudiar os atos de violência de gênero contra a democracia perpetrada por fascistas no último domingo, dia 16 de setembro, em Belém do Pará. Na ocasião, três mulheres foram agredidas depois de saírem da reunião de organização do ato contra candidaturas fascistas.

Partidários do candidato à Presidência República, Jair Bolsonaro (PSL) agrediram duas jovens na Praça da República e um outra mulher foi agredida a pauladas em um ônibus na Avenida Presidente Vargas.

Nós repudiamos todas as formas de violência contra mulher! O Brasil teve vários períodos autoritários em sua história. Não podemos aceitar que uma sociedade que lutou mais de vinte anos pela retomada da democracia compactue com formas de violação de direitos e respeito aos humanos.

Defendemos a garantia do direito à memoria e à verdade do povo conhecer e reconhecer sua história! Somos movimentos de resistência popular e combatemos todas as formas de autoritarismo que pregam a volta da ditadura e grupos fascistas.

Exigimos investigação e a responsabilização  imediata dos responsáveis pelos atos criminosos. Todo nosso apoio e solidariedade as vítimas. Pela luta permanente pela efetivação de todos os direitos humanos!

Belém, 17 de setembro de 2018.

Assinam a nota:

Sociedade Paraense em Defesa dos Direitos Humanos (SDDH)
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)
Movimento de Mulheres do Campo e da Cidade (MMCC)
Centro de Estudo e Defesa do Negro (CEDENPA)
Movimento Articulado Mulheres da Amazônia (MAMA)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.