Morreu a escritora Toni Morrison, cronista dos Estados Unidos afroamericano e Prémio Nobel da Literatura

Foto: Flickr/Axel Bold

A escritora Toni Morrison morreu segunda-feira à noite em Nova Iorque, informou a sua editora, a Knopf, num comunicado divulgado esta terça-feira. A autora de Amada ou A Nossa Casa é Onde Está o Coração tinha 88 anos e grande parte da sua obra versava sobre a vida e a experiência da comunidade negra nos Estados Unidos, tendo sido distinguida com o Prémio Nobel da Literatura e o Pulitzer, bem como com a Medalha da Liberdade Presidencial dos EUA e a Legião de Honra francesa.

Toni Morrison nasceu em 1931 no estado de Ohio com o nome de baptismo de Chloe Anthony Wofford, filha de um metalúrgico sindicalista e de uma dona de casa. O pai desdobrou-se em empregos para conseguir sustentar a família de quatro filhos e levar a futura escritora até ao ensino superior. Morrison estudou nas universidades de Howard e Cornell e trabalhou como editora. Casou-se com o arquitecto Howard Morrison e teve dois filhos. Começou a escrever nos anos 1960, findo o seu casamento e desiludida com a profissão. Autora de 11 romances, entre os quais Song of Solomon (1977), em 1993 recebeu o Nobel da Literatura, tornando-se assim a primeira mulher negra a ser galardoada com o importante prémio e uma das escassas 14 mulheres premiadas até hoje pela Academia Sueca. 

Vários títulos da obra de Toni Morrison estão traduzidos em português e alguns com mais de uma edição, entre chancelas como a Presença, a D. Quixote ou a Difusão Cultural, desde Amada – Beloved (1989, 1994, 2011, 2018) até Deus Ajude a Criança (2016), passando por Love (2009, 2019),  ANossa Casa é Onde Está o Coração (2015) e A Dádiva (2009).

Deus Ajude a Criança foi o seu primeiro livro, publicado em 1970, e centra-se em Bride, uma jovem “negra como a noite” que quer ter os olhos azuis como as raparigas brancas (no original este romance de estreia chama-se The Bluest Eye) e que mantém uma relação complicada com a mãe, Sweetness. Em Amada, um dos seus títulos mais aclamados, vencedor do Pulitzer de Ficção em 1988, também há uma mãe, mas desta vez como personagem principal: é Margaret que toma a decisão impossível, trágica, de matar a sua filha bebé para a salvar de uma vida como escrava.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.