Mídia abafa denúncias contra FHC

Por Altamiro Borges.

No final de semana, o jornal Valor Econômico – que tem uma tiragem reduzida e atinge basicamente o mundo empresarial – publicou em primeira mão o documento sigiloso em que Nestor Cerveró, ex-diretor da área internacional da Petrobras, afirma com todas as letras: “A propina no governo FHC foi de US$ 100 milhões”. Os que ainda se iludem com a chamada imparcialidade da mídia apostaram que a denúncia bombástica seria capa dos principais jornais nacionais e tema de ácidos comentários nas emissoras de rádio e televisão. Pobres midiotas! Erraram feio novamente. O famoso PIG (Partido da Imprensa Golpista) não vacila na sua linha editorial.

A capa da Folha tucana desta terça-feira (12), por exemplo, dá a manchete garrafal para as acusações contra o ex-presidente Lula e um pequeno título, abaixo da dobra da página – que geralmente não é vista nas mais de 40 mil bancas de jornais espalhadas pelo país -, para a denúncia envolvendo FHC. Já o Estadão se refere ao escândalo como uma simples “citação” do nome do tucano. A suave abordagem também ficou abaixo da dobra da página. Em seu comentário hidrófobo no Jornal da Globo, na noite de segunda-feira, William Waack – assíduo frequentador do Instituto Millenium, o antro que reúne os barões da mídia nativa -, simplesmente deixou de mencionar a denúncia contra seu amigo do PSDB.

A grotesca seletividade em mais este episódio confirma as pesquisas do professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e coordenador do “Manchetômetro”, João Feres Júnior. Para ele, a mídia nativa adota tratamento diferenciado nas denúncias contra petistas e tucanos. “O PSDB quase não é citado na cobertura da Operação Lava-Jato. Ainda que já tenha sido denunciado em delações mais de uma vez, assim como o ex-presidente do PSDB, Sérgio Guerra, isto não aparece na mídia”. Agora, com as revelações de Nestor Cerveró sobre o FHC, o mesmo está ocorrendo. “Mesmo sendo um cara super impopular em todas as classes sociais, Fernando Henrique é blindado pela mídia”.

Em entrevista à repórter Luana Spinillo, da Agência PT de Notícias, o pesquisador João Feres Júnior é taxativo ao afirmar que “a mídia brasileira é muito partidarizada, ou seja, a mídia brasileira, hoje em dia, se comporta como partido político, como acessório de um partido político. A mídia está atacando o PT faz muito tempo. Isso é uma prática antiga da mídia. Tem mais de 20 anos. Antes mesmo do PT chegar ao governo federal, a Folha de S.Paulo, por exemplo, já publicava notícias negativas sobre o PT, sempre ressaltando o nome do partido na manchete. E quando era notícia negativa sobre o PSDB, ela escondia o nome do partido. E continua fazendo”.

1 COMENTÁRIO

  1. A MÍDIA COMPRADA BRASILEIRA É OUTRO ANTRO DE BANDIDOS, SÃO TODOS MAFIOSOS. O JORNALISTA QUE NÃO DÊ A NOTÍCIA CORRETA, DEVERIA PEDIR LICENÇA E SUMIR. SEI QUE DEPENDE DOS DONOS DOS JORNAIS E REVISTAS, JÁ QUE SÃO COMPRADOS POR POLÍTICOS, NÃO PASSAM DE MAFIOSOS.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.