‘Me senti intimidado’, diz Alexandre Beck, autor de tirinha que incomodou a PM

Tirinha publicada no jornal Zero Hora gerou indignação na Brigada Militar do Rio Grande do Sul, que emitiu nota de repúdio; Alexandre sofreu ameaça nas redes sociais

Foto: Claudia Weinman.
Armandinho é o personagem criado há 8 anos por Alexandre inspirado na filha pequena

Por Maria Teresa Cruz.

Armandinho é um menino muito perspicaz. Como toda criança, ele experiencia o mundo com olhar curioso e, apesar da aparente ingenuidade das colocações, suscita profundas reflexões. Armandinho gerou mal estar em homens de muito maior estatura que a dele no domingo (18/11), quando Alexandre Beck, seu criador, publicou no jornal Zero Hora o diálogo dele com o amiguinho Camilo, que é negro. A tirinha, acima reproduzida, fez com que a Brigada Militar da Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Sul emitisse uma nota de repúdio em que faz alusão a data comemorativa de 181 anos da corporação e ironiza a tirinha chamando de “presente de mau gosto, que desrespeitou todos os policiais militares” e destaca a autoria de Alexandre. 

A Brigada afirma que “mesmo respeitando a livre manifestação do pensamento e a liberdade de imprensa”, lamenta que tal veículo de comunicação, responsável em parte pela formação da opinião pública tenha se posicionado dessa forma”.

O pai de Armandinho, o catarinense Alexandre Beck, está assustado tanto com a reação quanto com a repercussão do caso. “São muitos anos fazendo tirinha, acabei adquirindo confiança sobre o que eu posso colocar ou não, mas acho que vou ter que rever isso”, afirmou em entrevista à Ponte. Armandinho existe há cerca de 8 anos e é publicado em 7 jornais do sul – Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Além da nota da Brigada da PM, Alexandre sofreu ataques nas redes sociais e chegou a ser ameaçado de processo por agentes da corporação.

O ilustrador, que faz questão de dizer que é branco e que o universo retratado na tirinha é muito distante do dele, afirma que as questões raciais precisam ser discutidas de maneira ampla, só assim haverá alguma mudança na sociedade. “A tirinha não é ofensiva na medida em que mostra uma realidade que até pode não ser a minha, mas que tem pessoas próximas a mim que vivem. São pais preocupados em ensinar seus filhos a se comportar quando estão na presença de agentes de segurança do Estado. É o racismo estrutural e isso precisa ser dito. Eles [policiais militares] não querem ver a realidade”, afirmou.

Durante a entrevista, Alexandre citou dois exemplos em que o racismo estrutural foi retratado de forma ficcional: na tirinha de Estevão Ribeiro em que a personagem negra Rê Tinta levanta os braços diante do tio policial em claro sinal de averiguação e um episódio da série Grey’s Anatomy, em que os personagens Bailey e Ben, negros, ensinam o filho de 13 anos, também negro, a como se comportar em uma abordagem policial. Em determinado momento, Bailey diz ao filho que está fazendo isso porque quer “que ele volte para a casa, que possa crescer e ser tudo o que quiser”.

Confira a entrevista que Alexandre Beck concedeu à Ponte:

Ponte – Não foi a primeira vez que você fez críticas ao sistema, certo? Como recebeu essa reação tão negativa?

Alexandre Beck – Não foi a primeira vez. Mas eu estava com um mau pressentimento de que pudesse acontecer alguma coisa. Para mim é algo novo no sentido de que aquela reivindicação contida na tira, aquela voz, é uma voz muito fora da minha realidade. Eu sou branco. Mas é uma voz que por conta desse trabalho com tirinhas que permite expressões críticas da realidade, de pessoas que fui conhecendo, da convivência com movimentos sociais, eu passei a ouvir coisas que me soavam muito estranhas. A tirinha não é ofensiva, não creio que seja ofensiva para ter uma reação oficial desse jeito. Ela mostra uma realidade que não é a minha, mas que tem pessoas próximas a mim que vivem. São pais, por exemplo, preocupados em ensinar seus filhos a se comportar quando estão na presença de agentes de segurança do Estado. Fui conversando, ouvindo, participei de encontros, debates, porque para mim esse universo era estranho. Para mim agente de segurança era segurança. Eu sempre fui instruído pelos meus pais a buscar um guarda e associar a polícia a segurança. Eu conheço muita gente da polícia. O que quero dizer é que é uma voz que eu não conhecia e acho, agora, conhecendo é uma coisa que precisa ser discutida urgentemente. Eu nunca tive nenhuma censura do jornal. Isso eu posso falar com tranquilidade. Mas não são todas as tiras que eu mando para lá, porque tem coisas que eu sei que o tipo do leitor do jornal pode ser mais conservador e não vai gostar. Tem coisa que eu não mando para não incomodar. Ao mesmo tempo, acho bacana ter um espaço de conversa com outro tipo de leitor. E aí eu não publico no jornal mas publico na pagina do Armandinho, mas aí é uma coisa minha.

Ponte – A que você atribui essa reação da PM? Desconhecimento ou alguma outra coisa?

Alexandre Beck – É algo que eles não querem que seja evidente. Na minha avaliação, houve uma postura [com a nota oficial] como se eu estivesse acusando eles de racismo. Eles não querem ver uma realidade que está ali. Uma realidade, que aliás, eu também não via há pouco tempo atrás. Se eu não tivesse o conhecimento que passei a adquirir depois, eu ia continuar achando que isso [o racismo estrutural das instituições] não existe. Conviver com os movimentos negro, LGBT, entender a questão do feminismo, que nos últimos anos tem ganhado muita força, faz com que a gente compreenda melhor a realidade. A questão das cotas nas universidades, tudo isso propiciou a entrada de gente mais diversa, que é considerada por muitos gente estranha, os pobres, negros, indígenas. Eles começarem a fazer suas reivindicações, seus congressos suas palestras, e isso tudo deu força. São vozes que não são ouvidas.

Ponte – E passaram a ser?

Alexandre Beck – Não, elas ainda não são plenamente ouvidas, mas passaram a ter algum espaço. E como ou por que essas vozes incomodam tanto? Do meu ponto de vista, conhecendo os dois lados, incomodam porque para algumas pessoas representam uma ameaça, são outra visões de mundo. A impressão é que há os que não querem que elas sejam ouvidas.

Ponte – Você disse que ficou assustado. Tem pensando em fazer autocensura?

Alexandre Beck – É quase automático, né? É um condicionamento animal, pavloviano. Você leva uma paulada e é claro que é natural que você recue. Mas eu tenho tentado trabalhar para que a coisa não desande nesse sentido. Eu não posso agir dessa forma. Eu, nesse momento, estou com medo. Até com sensação física do medo. Porque houve muitos ataques, muitas mensagens… Houve um coronel que oficializou que eu estava depreciando toda a Brigada Militar e isso gera ódio. E eles se sentem autorizados, do coronel para baixo, a expressar suas opiniões, angústias e agir. Então dá medo. Eu trabalho com a polícia faz tempo. Desde 2002, eu trabalho com a polícia militar ambiental em Santa Catarina, então eu conheço bem eles. Tenho um carinho enorme por eles, sei do quanto são pouco reconhecidos, do quanto são mal pagos, da questão de hierarquia.

Ponte – O que você fez para a polícia?

Alexandre Beck – Eu fiz uns quadrinhos educativos, 20 ou 30 ilustras diferentes. Eu sei do corporativismo deles. São pessoas que eu confio 100%. Por outro lado, esse corporativismo pode ser ruim, porque quando eles se sentem agredidos, eles atacam. Porque se cria um sentimento forte de injustiça. Eu  ainda não recebi nenhuma mensagem de meus conhecidos. Fico pensando, sera que estão me achando traidores? Não sei. Pode ser. É uma turma que votou em peso em um candidato [Jair Bolsonaro, eleito presidente do Brasil] que se mostrou ser bastante preconceituoso durante toda a campanha.

Ponte – Nesta terça-feira é Dia da Consciência Negra. Você está dizendo que são homens, mulheres, seres humanos que formam as corporações. Como você avalia essa relação entre a estrutura e a atitude individual?

Alexandre Beck – É aquele conceito do racismo estrutural na nossa sociedade. Ele não é discutido. Eu tenho visto com muita frequência as pessoas que têm preconceito negarem que têm. Como se o preconceito fosse praticado de uma forma inconsciente. Você trata o garçom de um jeito e o gerente do banco de outro. São preconceitos muito cristalizados na nossa sociedade. É aquela pessoa que tem mais cara de ser suspeita de alguma coisa. E foi isso que eu coloquei na própria tirinha. Tem um episódio da série Grey’s Anatomy, que tem um casal que instrui o filho como se comportar diante da polícia. E é assim. E de novo eu não falo por minha experiência, mas por depoimentos que eu ouvi de pessoas negras, que hoje são advogados, médicos, de vários setores, falando do comportamento. Eu posso andar de chinelo e bermuda na rua. Eu ouvi um advogado falando que sempre tem que estar bem arrumado, porque caso contrário é parado. Isso é tão distante da minha realidade e é uma coisa que não é falada. É uma outra realidade, que ao mesmo tempo está do nosso lado e que não tem espaço. Eu, no caso, tentei trazer um pouquinho dessa discussão e me senti intimidado. Eu sofri intimidação. E não só para minha pessoa, inclusive para o meu emprego. Ainda não sei qual será a postura do jornal [oficialmente o jornal não se posicionou]. É importante falar disso [racismo estrutural], porque os outros do nosso meio não estão nessa busca, nesse enfrentamento. E aí vai se criando um distanciamento de onde a gente está…. Eu me afastei os meus antigos amigos, por exemplo, porque não conseguia ter um nível de conversa razoável.

1 COMENTÁRIO

  1. Imprescindível o tema abordado na tirinha pois é verdadeiro o argimento de que muitas pessoas recebem tratamento mais agressivo da PM por serem negros. Varios alunos meus comentavam sobre situaçoes abusivas vivenciadas por eles, inclusive quando se dirigiam à escola EJA.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.