Manual do MEC sugere dividir alunos entre capitães do mato e escravos

Capitão do mato. 1823. Ilustração de Johann Moritz Rugendas (domínio público)

Um guia de atividades produzido para as aulas de Educação Física, aprovado pelo Ministério da Educação em 2018, e entregue nas escolas da rede municipal do Rio de Janeiro tem gerado controvérsia. A reportagem é do O Globo.

Segundo a apuração, o livro “Manual do professor para a educação física — 3º ao 5º anos” apresenta, na página 183, uma brincadeira que sugere aos docentes dividir alunos de 8 a 10 anos entre capitães do mato e escravos.

Ainda de acordo com a reportagem, o livro orienta o professor a demarcar com giz um espaço na quadra correspondente ao quilombo, e outro, à senzala. Nessa espécie de pique-pega, os alunos recebem um sinal e, a partir dele, os escravos devem fugir para o quilombo. Uma vez capturados, são conduzidos à senzala pelos capitães do mato. Em seguida, trocam-se as funções.

O material foi aprovado pelo Programa Nacional do Livro e Material Didático (PNLD) 2019, por meio do qual o MEC avalia e disponibiliza materiais às escolas públicas.

O manual também foi motivo de debate nas redes sociais, por encenar a escravidão como uma disputa, subestimando o sofrimento do povo negro durante o período.

Em entrevista concedida à reportagem do O Globo, o historiador da UFBA Rômulo Souza reconhece que o conteúdo que está antes da indicação da atividade é pertinente, mas perde o sentido com a brincadeira proposta.

“A atividade deturpa a própria informação proposta e reafirma uma visão que não pode ser romantizada. Nessa fase da idade, na lógica do polícia e ladrão, facilmente a criança pode ser remetida ao binarismo capitães do mato e escravos”, afirmou à reportagem.

Segundo a reportagem, uma representante da Terra Sul Editora, coordenadora editorial do projeto, alegou que o material passou por uma análise crítica do MEC e que, como manual do professor, contem sugestões sem a carga racista mencionada.

A autora da obra, Roselise Stallivieri, professora de educação física formada na PUC do Paraná e ex-funcionária da Prefeitura de Curitiba, também foi procurada pela reportagem, mas não respondeu. O Ministério da Educação, segundo a reportagem, também não respondeu aos questionamentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.