Mal chamado “Acordo do Século” de Trump afasta palestinos de Jerusalém

247 – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apresentou nesta terça-feira (28) um plano de paz para o Oriente Médio. O anúncio foi feito ao lado do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. O plano prevê a adoção de dois Estados na região: Israel e Palestina, que passaria a ser reconhecida pelos EUA como um Estado soberano com capital em (partes de) Jerusalém Oriental, mas o mandatário estadunidense também disse que Jerusalém continuaria indivisível como capital israelense. Ele não disse como conciliaria as duas propostas.

Outro ponto da proposta é dobrar o tamanho da Palestina, ao dar um espaço no sul do território israelense aos palestinos para indústrias e residências. Também está sendo estudada a injeção de US$ 50 bilhões para a Palestina gerar 1 milhão de empregos.

Trump relembrou o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel e das colinas de Golã como território israelense, duas decisões que geraram revolta no Oriente Médio. “Portanto, é razoável que eu tenha de fazer muito para os palestinos, ou não seria justo”, disse. “Quero que seja um grande acordo para os palestinos. É uma oportunidade histórica para eles, depois de 70 anos sem progresso”, acrescentou.

O projeto prevê garantia de visita de muçulmanos à mesquita sagrada de Al-Aqsa, em Jerusalém.

Se a transição ocorrer de forma pacífica, os EUA abrirão embaixada também na capital da Palestina.

Nota de Desacato: Os palestinos não foram consultados para a elaboração desse “plano” nem convidados para a apresentação, como se aconteceu com Netanyahu e o líder da oposição Benny Gantz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.