Maioria da população é contrária à privatização da Petrobras, diz Datafolha

Segundo pesquisa do datafolha, 55% dos brasileiros são contra a privatização da petroleira. Para 74% da população, a empresa não deveria ser vendida para grupos estrangeiros em hipótese alguma.

Por Úrsula Noronha.

Segundo pesquisa do datafolha, 55% dos brasileiros são contra a privatização da petroleira. Para 74% da população, a empresa não deveria ser vendida para grupos estrangeiros em hipótese alguma. Foram entrevistados 1.500 adultos nesta terça-feira (29) em todas as regiões do país e a maioria deles foi contra a absurda política de privatizar a Petrobrás. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos.

A privatização da Petrobrás veio tendo uma ofensiva no governo golpista de Temer, que aprofundou ainda mais a submissão ao imperialismo que já existia nos governos do PT. A população, que é a maior afetada pela venda da Petrobrás ao capital estrangeiro, veio sentindo no cotidiano como isso tem consequências profundas, como é possível perceber com a indignação massiva com os preços absurdos dos combustíveis.

Nesse contexto, é impossível dissociar como o PT cumpriu um papel essencial para o que acontece hoje. Dilma Rousseff, por exemplo, assinou junto a José Serra a venda de poços de pré-sal a petroleiras como a anglo-holandesa Shell, e Temer deu continuidade a isso, aprofundando ainda mais, ao aprovar a política de revisão dos preços de combustíveis.

A oscilação dos preços era uma exigência das grandes petroleiras estadunidenses, como a ExxonMobil e a Chevron, a britânica BP e a francesa Total, para poder entrar no Brasil. Hoje, a maior abertura para capital estrangeiro é explícita: ao invés da Petrobrás variar o preço dos combustíveis em períodos específicos, ela altera de acordo com a câmbio do dólar, cotação do barril de petróleo, concorrência das importadoras. Assim, o lucro das empresas está sempre garantido, enquanto a população pobre tem seu ônus agravado.

Enquanto a Petrobrás estiver sob gestão dos políticos que governam nesse sistema, sempre haverá abertura para o capital estrangeiro. Para que haja redução dos preços dos combustíveis sem dar subsídios aos patrões e a Petrobrás seja 100% estatal, é preciso que ela esteja sob gestão dos petroleiros e controle da população.

Nesse sentido, a greve dos petroleiros iniciada hoje deve cumprir um importante papel para ser uma alternativa independente e ir contra todos os interesses da patronal, diferente de como estão sendo as manifestações dos caminhoneiros, que pedem até intervenção militar. Ela é o único jeito de os trabalhadores superarem suas burocracias sindicais e obrigarem a CUT a organizar imediatamente uma paralisação nacional por uma Petrobrás 100% estatal gerida pelos trabalhadores e controlada pela população. Só assim será possível a planificação da utilização dos recursos adquiridos para o benefício da população, e não do lucro dos acionistas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.