Lula visita Cooperoeste em Santa Catarina

 

Por Juliana Adriano. 

Durante a Caravana Lula pelo Sul do Brasil, entre os dias 24 e 25 de março, em Santa Catarina, o ex-presidente esteve Florianópolis, Chapecó, Nova Erechim e São Miguel do Oeste. Nesta última, Lula visitou a Cooperoeste/Terra Viva, maior cooperativa do Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra.

A atividade realizada na Cooperoeste foi organizada pelo MST, Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento de Mulheres Camponesas do Brasil (MMC), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Pastoral da Juventude Rural e integrantes da Via Campesina.

Na ocasião, os movimentos apresentaram suas demandas, reforçaram que não é possível aceitar o injusto julgamento político ao qual o ex-presidente vem sendo submetido e se comprometeram a construir conjuntamente um projeto popular para o Brasil.

Para Marcia Marcon, dirigente do MST, a visita de Lula à Cooperoeste: “mostra o quanto a Reforma Agrária dá certo quando organizamos a produção, a cooperação e a comercialização de nossos produtos”.

Hoje, a Cooperoeste tem em torno de 250 funcionários, com uma capacidade de 500 mil litros de leite por dia. A produção, comercializada nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo, tem a marca da luta diária dos trabalhadores rurais sem terra e dos produtores da agricultura familiar, responsáveis por mais de 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros.

Rogério Antônio Blanchi, 28 anos, trabalhador do setor de vendas e faturamento da cooperativa, se orgulha de ser um dos responsáveis por levar esses produtos à mesa dos brasileiros e brasileiras. “Eu me sinto honrado de botar uma comida na mesa de uma pessoa que não tem nem noção do que é o movimento, do que é uma cooperativa.”

A Cooperoeste foi criada em 1996 a partir da luta de trabalhadores rurais sem terra na região de São Miguel do Oeste, como conta Sebastião Vilanova, eleito recentemente para presidir o negócio. “Isso aqui é da reforma agrária de 1985, quando as famílias se organizaram, fizeram ocupação, conquistaram a terra, e a partir da terra partimos para a indústria, dando origem a esse patrimônio que temos hoje”, recorda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.