Linha 8 de Março: Educação caiu na vala

Crianças e adolescentes estavam dentro do ônibus quando ele caiu na vala ontem, quarta-feira, na linha 8 de março, interior de São Miguel do Oeste/SC. Eram quase 13h e os estudantes ainda não tinham almoçado

 

Foto: Ricardo Souza, para Desacato. info.

Por Claudia Weinman, para Desacato. info.

Sabe aquela reflexão que se faz de que um povo com formação, informação, conhecimento, não aceita as imposições dos sócios do sistema que vivemos?

O não investimento na educação do campo é prática do governo de São Miguel do Oeste e de tantos outros pelo Brasil. Faz parte de uma conjuntura maior, de uma ofensiva para fazer do campo um espaço sem vida, envenenado e cheio de máquinas.

Faz tempo, a comunidade da linha 8 de março, também da linha Dois Irmãos, interior de São Miguel do Oeste reivindica melhores condições nas estradas, uma ponte adequada para o transporte e outras demandas para manutenção de qualquer comunidade, seja urbana ou rural.

Fechamento de escola

Em 12 de fevereiro desse ano o poder público anunciou o fechamento de turmas na escola Dois Irmãos, escola do campo. A comunidade se organizou, denunciou e no mesmo dia um comunicado foi postado na página do facebook da escola garantindo a permanência das turmas.

O art. 28 da Lei de Diretrizes e Bases, Lei 9394/96, garante o direito à educação dessas crianças no local onde vivem. Mas o poder público não havia respeitado esse direito quando anunciou, sem discutir com a comunidade, o fechamento das turmas. A comunidade entendeu naquele momento que fechar turmas ocasionaria o fechamento da escola em um curto espaço de tempo, por isso se organizou.

Foto: Reprodução/Desacato.

Com a vitória, a comunidade passou a enfrentar outros problemas em razão do abandono do poder público para com a manutenção das estradas, por onde circulam o transporte escolar e todos/as os/as moradores/as.

Ontem, quarta-feira, dia 22 de agosto, o ônibus escolar deslizou no trajeto e foi parar no barranco. O ônibus transportava crianças e adolescentes. A comunidade se revoltou pelos riscos e passou a denunciar com os meios que possui. Pessoas gravaram vídeos com o próprio celular e parte desses materiais foram publicados via facebook. Também no JTT de hoje, do Portal Desacato, uma matéria foi produzida pelo jovem Ricardo Souza, estudante.

A comunidade continuará fazendo luta. Está cobrando. É seu direito. O não investimento nas estradas do interior também está relacionado a tentativa de isolar as comunidades de qualquer estrutura básica que garanta inclusive, a permanência de uma escola do campo.

Confira o vídeo feito pela moradora Luci Souza, sobre a situação dos estudantes.

 

Claudia Weinman é jornalista, diretora regional da Cooperativa Comunicacional Sul no Extremo Oeste de Santa Catarina. Militante do coletivo da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) e Pastoral da Juventude Rural (PJR).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.