Líder da extrema-direita da Itália, Matteo Salvini manobra para tomar o poder e acaba derrotado

Aliado de Bolsonaro rompeu com antigos aliados com objetivo de forçar novas eleições, mas errou no cálculo político e viu uma aliança improvável surgir na Itália com objetivo de frear a extrema-direita

Eduardo Bolsonaro e Matteo Salvini. Foto: Reprodução/Youtube

O ex-ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, conseguiu em primeiro momento derrubar o premiê Giuseppe Conte, mas terminou vendo seu ex-aliado voltar ao poder nesta quarta-feira (28) com uma aliança inédita do Movimento 5 Estrelas (MS5), anti-establishment, com o Partido Democrático, de centro-esquerda, do ex-premiê Matteo Renzi. O partido de Salvini, a Liga Norte (LN), de extrema-direita, agora é oposição na Itália.

crise entre a Liga e a o MS5 teve seu ápice no dia 8 de agosto, quando Salvini, aliado de Bolsonaro, apresentou moção de desconfiança – o impeachment em sistemas parlamentaristas – contra Conte com o objetivo de realizar novas eleições, demonstrando que aquela aliança tinha chegado ao fim. O premiê, então, anunciou sua renúncia no último dia 20, dando prazo de 5 dias úteis para que fosse formado novo governo pelo Parlamento.

Veja mais: Crimes da Lava Jato extrapolam Fronteiras

O PD e o MS5 fecharam acordo nesta quarta-feira, o último dia previsto, garantindo a continuidade de Conte e impondo uma derrota que não fazia parte do cálculo político inicialmente feito por Salvini. Vendo a aproximação entre os dois partidos, a Liga até tentou se reaproximar do MS5, mas com a condição de tirar o atual premiê.

O principal objetivo do líder da extrema-direita em derrubar o ex-aliado era o de forçar novas eleições parlamentares e aumentar a bancada da Liga Norte, garantindo uma maioria que lhe possibilitasse assumir como primeiro-ministro.

Nas eleições para o Parlamento Europeu, em julho, colocaram a Liga como a maior força política da Itália, superando o MS5. Comparando a votação dos dois partidos no pleito de eurodeputados com a do Parlamento Nacional, de 2018, a LN saltou de 17% para 34%, enquanto o Movimento 5 estrelas minguou de 33% para 17%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.