Lama de Sangue

Imagem: Pixabay

Por Guigo Ribeiro, para Desacato.info. 

Ontem, de novo, a lama, depois de tanto avisar que ia sair, saiu. E

foi descendo, levando gente, levando casa, levando sonho, trazendo a

morte. Logo senti quando gritaram desesperados, mostrando bem que

havia mudado o rumo das coisas. “De novo?”… olha… me entenda bem.

Eu tava meio que esperando, confesso. Porque essas coisas são meio que

feitas pra acontecer mesmo. Não é bem surpresa. Surpresa é só o

acontecer, não o fato. Entende? E ali, do alto daquele lugar qualquer,

ouvi o barulho do fim que vinha chegado lento, mas intenso e perverso.

Era um barulho que rachava o coração. Barulho que não se ouve sempre,

que não se mostra ou reproduz. Barulho terrível! Vi descendo com a

força que não se luta contra. A força que, pra ser franco, só dá pra

fugir. O céu podia estar bonito, mas virou um azul morte. Como se mata

sem pôr a mão? Depois, quando a desgraça tá feita, fica corpo pra

contar, casa pra erguer, o nada… fica o corre pra lá e pra cá. Fica

uma despedida que não precisava. E não tem o que fazer. A cidade vira

uma história horrenda contada pelos anos que vão seguir e a gente fica

pra depois como a conversa com os homens que fizeram isso. A gente viu

esse evento outro dia, lembra? Faz tempo não. Então… que que deu?

Nada! Se bem que dar em algo é como querer que um punhado de dinheiro

resolva a dor. Deve ser por isso o quão rápido já vieram oferecendo um

cheque. Esse povo faz tudo por dinheiro e acha que o dinheiro vai

resolver tudo. Que as notas vão limpar essa lama de sangue. Vieram

rapidinho dar cheques pra tentar resolver a ferida. Quero ver resolver

o homem que ficou um tempão embaixo da terra vivo torcendo por

resgate, mas que não agüentou. Quero ver resolver o homem que tava na

luta pelo pão e foi, deixando a fome com seus. Quero ver sarar o

coração de quem ficou boiado naquele troço nojento e, por Oxalá, foi

salvo. Mas fica ali a ferida, a dor. Quero ver chamar de acidente,

mesmo tendo já vivido isso. Isso eu quero ver. Resolve não. Os bichos

tão tudo morrendo. É verdade que essa lama deixa também o chão doente?

Que além das vidas, o chão também fica marcado? Que que vai nascer

depois? Porque depois… olha… aí te conto com a calma de quem já

viu isso. Depois vai ficar boiando o assunto como aquele tanto de

peixe boiando. Até que alguém vai pegar e jogar no lixo, como joga

fora aquele tanto de peixe boiando. Pra esse povo não tem lei. Eles

podem desgraçar tudo que não vai ter problema. Às vezes parece que a

vida é um bilhete. Se pega um pedaço de papel e escreve. Quem lê,

depois, vai largar de canto, amassado. E só vão lembrar na próxima

faxina quando ver aquele pedaço de papel na mesa. Aí joga no lixo. É

isso! É! A vida é um bilhete. Bilhete escrito pelas mãos de gente que

faz de tudo descartável. Um bilhete escrito pelas mãos de quem tem

dinheiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.