Kátia Abreu empurra Ciro para a direita com apoio a armas e veto sobre aborto

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil. Fotos Públicas.

247 – A candidata a vice-presidente de Ciro Gomes (PDT), senadora Kátia Abreu (PDT-TO) afirmou que defende a facilitação do porte de armas diante do atual cenário de violência, inclusive e sobretudo no campo. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, e sobre o mesmo tema, ela disse que o correto seria que o governo desarmasse os criminosos: “só não acho justo alguém ficar armado até os dentes e a população totalmente abandonada”.

Sobre a candidatura com Ciro, ela diz: “Não chega a ser um erro, não gostaria de classificar como um erro, mas não seria a minha opção votar em uma chapa puro-sangue do Sul do país. Com todo respeito às duas regiões, que são maravilhosas, e nada contra candidatos de Sul ou Sudeste. Neste momento, o Brasil está precisando de quem conhece a vida dos mais pobres (…) Tenho muito orgulho de representar Norte, Nordeste e Centro-Oeste. E também o setor agropecuário. Sei como vivem não só produtores do agronegócios, mas também assentamentos da reforma agrária, os quilombolas e a agricultura familiar.”

Abreu ainda fala sobre o temperamento de Ciro: “Ciro não é briguento, é brigão. Um lutador, é diferente. Ele sabe impor o que acredita de verdade. Eu acuso o golpe para mim porque eu sou um pouco parecida. Sou tão veemente no que acredito que até às vezes parece que estou brigando, mas é a forma que a gente tem de se expressar. A gente tenta corrigir, mas não significa agressividade, significa obstinação.”

Kátia Abreu ainda opina sobre Ana Amélia, vice de Geraldo Alckmin. Perguntada se Ana Amália seria uma boa presidente, ela disse: “seria, eu até trocaria ela de lugar para ser a candidata a presidente. Ela é melhor que o candidato. Eu gosto dele, já votei nele uma vez, não é nenhum ataque pessoal, ele é uma pessoa correta. É uma questão circunstancial.”

Sobre o porte de armas, Kátia Abreu foi taxativa: “defendo o uso de armas em casa, rural e urbano. Eu não sou contra, diante da violência que estamos vivendo hoje. Todo mundo sabe que os fazendeiros estão desarmados. Hoje, há ataques até nos assentamentos. A minha pergunta é: isso é justo? Colocar os produtores à mercê. Estão roubando arame, material de trabalho, machado e foice, pneu de trator. Então, não quero uma guerra no campo nem uma batalha civil no país. Sou contra a violência, eu sou a favor do diálogo, sou a favor da paz. Mas não acho justo que os bandidos se armem cada vez mais. O governo brasileiro não faz absolutamente nada e as pessoas se sentem impotentes.”

Leia mais aqui. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.