Jovem negro é agredido e humilhado por segurança de supermercado em Florianópolis

Foto: Reprodução

Renan Rodrigues, 27 anos, registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil por lesão corporal ocorrida dentro do supermercado Big, no shopping Iguatemi, em Florianópolis.

Renan relata que foi agredido por um segurança do mercado. O caso ocorreu na noite de terça-feira (7). A vítima trabalha numa loja no mesmo shopping.

De acordo com seu relato publicado nas redes sociais, ele saiu do local sem comprar nada porque não encontrou o produto que queria, e iria procurar em outro supermercado. Então, um segurança o abordou, segurou de forma violenta pelo braço e o carregou de volta para a loja, o acusando de furto e formação de quadrilha.

A reportagem do Correio de Santa Catarina entrou em contato com Renan Rodrigues, que explicou: “Foi um caso de racismo. Ele me deu uma chave de pescoço, me arrastou para um corredor dentro do supermercado, dizendo que eu roubava e era parte de uma gangue. Dizia que tinha imagens minhas escondendo carne, mas não é verdade, deve ser de outra pessoa preta”, disse ao telefone.

O relato de Renan

“Aquilo que eu só via notícias e ficava puto, aconteceu comigo. Hoje dia 07/01 fui acusado e agredido por um segurança do supermercado Big do Shopping Iguatemi, após um dia maravilhoso de trabalho, tudo que eu queria era beber uma cerveja, trabalho na loja Mundo Verde no terceiro piso do shopping, fechei a loja e fui até o supermercado escolher uma cerveja, como no big não tinha variedade de cervejas nas quais procurava, sai e estava indo até o Angeloni, que é do outro lado da rua, na saída fui abordado por um segurança, ele pediu pra eu acompanhar ele, eu disse não, e disse pra ele falar o que ele queria, e repeti, o que houve?! Ele me pegou pelo braço e falou pra eu guardar meu celular, tentei me esquivar pela esquerda e seguir meu rumo, ele me deu uma chave de pescoço, e me arrastou da entrada do supermercado até o fim, para onde ele queria me levar inicialmente e sei lá o que ele iria fazer comigo se eu fosse até lá de boas. Gritei, pedi socorro, por ajuda, minha bolsa arrebentou, caiu no chão, meus óculos, minhas coisas jogadas pelo chão do supermercado, rasgou minha roupa e nada dele tirar o braço de volta do meu pescoço e continuou a me arrastar, mesmo aos prantos, gritando por ajuda e socorro, ninguém fez nada, até o momento que chegou um cara X com um distintivo Y e falou pra ele parar, fui acusado de roubo, de formação de quadrilha, porque segundo o segurança já estou sendo observado a muito tempo, que eu escondendo produtos, para outras pessoas pegarem, que escondia carne, carneeeeeeeee (FAZ ANOS QUE NÃO COMO CARNE, IMAGINA ROUBAR UMA) carneeeeee, nunca em minha vida precisei roubar, muito menos imaginei passar por isso, não sabia nem como reagir, fui embranquecido minha vida toda e vivi nesse meio tentando me situar, sai de la com um rasgo no rosto sangrando, roupas rasgados, me sentindo envergonhado pelo dano e assédio moral no qual ele, aquela situação me causou, hoje eu bixa preta que sou, me amo, me aceito, tenho noção dos meus direitos, fui vítima de racismo e isso não vai ficar impune, porque hoje foi comigo, e amanhã não vai ser com outro preto.”

Nota do Big

Em nota, o Big se desculpou pelo ocorrido e disse que interrompeu “os serviços prestados pela equipe terceirizada da loja na qual o segurança envolvido trabalha” e que avalia outras medidas cabíveis em relação a essa empresa. Afirmou ainda que entrou em contato com o rapaz e que se coloca à disposição para assistência necessária.

Com informações adicionais do G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.