Jornal do Paraguai divulga proposta que a Léros, empresa associada aos Bolsonaro, fez pela energia de Itaipu

Mario Abdo, presidente do Paraguai, e Bolsonaro. Foto: Allan Santos/PR

Jornal GGN – O jornal ABC Color divulgou no dia 13 de agosto os termos da proposta que a Léros, empresa de energia associada aos Bolsonaro, fez à Ande, estatal paraguaia, pela energia excedente produzida em Itaipu Binacional.

O veículo divulgou um documento, datado de 27 de julho de 2019, em São Paulo, em que Kleber Ferreira, da Léros, propõe pagar à Ande 31,50 dólares por cada megawatt/hora.

Se a Léros conseguisse redistribuir a energia no mercado brasileiro ao custo de, pelo menos, 35,00 dólares por MWh, metade do lucro seria repassado à Ande.

Leia mais: “A derrota do Macri na Argentina: influência no Brasil” é o tema de amanhã do Engarrafamento da Ponte

Empresa acusada de ligação com clã Bolsonaro fechou acordo ilegal de energia com o Paraguai

A proposta prometia desembolsar 30% do pagamento no dia da entrega da energia, e os 70% estantes, 8 dias após o primeiro pagamento.

O acordo vem sendo investigado no Paraguai e abriu uma crise que pode levar ao encurtamento do governo Benítez.

A oposição e setores da imprensa passaram a criticar o acordo de Itaipu, alegando que os gestores da Ande e o governo admitiram termos que lesam a Nação.

A história envolve lobby da Léros para retirar do acordo de Itaipu uma cláusula que permitia à Ande vender diretamente no mercado brasileiro a energia excedente de Itaipu.

No lugar da Ande, entrou a Léros, com exclusividade e sem chamamento público para dar oportunidade a outras distribuidoras mais habilitadas para esse negócio, caso da Cemig, por exemplo. Para obter esse tratamento privilegiado, a Leros foi associada à família Bolsonaro.

A promessa, segundo apurou a imprensa paraguaia, era de que Jair Bolsonaro autorizaria a compra e revenda de energia pela Léros, passando por cima da Eletrobras, se fosse necessário. O acordo teria sido verbalizado com o presidente paraguaio.

O ABC também revelou na reportagem que membros da Leros foram ao Paraguai acompanhado do empresário Alexandre Giordano, que fazia a ponte com o dito assessor jurídico do vice-presidente Hugo Velázquez, Joselo Rodríguez, um jovem advogado de 27 anos, cuja mãe tinha cargo de primeiro escalão no governo paraguaio.

Giordano é suplente do senador Major Olímpio, do PSL dos Bolsonaro, e teria usado o nome da família presidencial, segundo suspeitas dos paraguaios, para conseguir concretizar o acordo. Quando o assunto veio à tona, ele negou que tenha feito essa relação, e afirmou que entrou na negociação porque tinha interesse em vender produtos para a Leros.

O ABC também revelou outros nomes que participaram da negociação.

Em abril, segundo o site, um “voo particular chegou ao Paraguai” e a bordo estavam, além de Alexandre Giordano, Adriano Tadeu Deguirmendjian Rosa (diretor da LÉROS ENERGIA E PARTICIPACOES SA), um advogado chamado Cyro Dias Lage Net e um quarto passageiro chamado Bruno Emannuel Silva Nascimento.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.