Jânio de Freitas questiona legitimidade da eleição de Bolsonaro

Em sua coluna publicada neste domingo (13), o jornalista Jânio de Freitas questiona a legitimidade da eleição de Jair Bolsonaro. Para ele, Bolsonaro foi benefiado pelo uso indevido de mensagens pelo WhatsApp, que admitiu que houve violação dos seus temos de uso na eleição de 2018.

Leia abaixo a íntegra do artigo:

A fraude eleita

A campanha que resultou na eleição de Jair Bolsonaro para a Presidência foi beneficiada por fraude das normas eleitorais. A legitimidade da posse de Bolsonaro e do seu cargo presidencial é, portanto, no mínimo questionável e pode mesmo ser insustentável.

Este é o significado objetivo da admissão do WhatsApp de que foi usado, em “violação aos seus termos de uso”, em “envios maciços” de mensagens “para atingir um grande número de pessoas”. A afirmação é do gerente de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp, Ben Supple, em palestra no Festival Gabo (Colômbia). Foi publicada na pág. A8 da Folha da última quarta-feira (9).

Leia mais: Justiça determina que União contenha avanço de óleo em Sergipe

O representante do WhatsApp não mencionou Bolsonaro. Nem precisava, para expor o comprometimento dessa campanha com indução automatizada, como são os softwares de mensagens enviadas a milhares e milhões —prática vedada pelas normas eleitorais brasileiras.

Já em 18 de outubro de 2018, no mês da eleição, a repórter Patrícia Campos Mello revelou na Folha que as agências Quickmobile, CrocServices e Yacows, entre possíveis outras, foram contratadas por empresários pró-Bolsonaro para disparo de mensagens em massa. Eram de propaganda do candidato ou, sobretudo, de ataque a adversários.

Àquela revelação seguiu-se uma série de outras, desvendando parte do que Patrícia Campos Mello chamou de “submundo dos disparos em massa” na eleição brasileira. Não eram, mesmo, só crimes eleitorais. Para cometê-los em maior abundância, foram utilizados falsamente CPFs, sem conhecimento dos seus detentores, e até empresas fantasmas. Crimes comuns, próprios de estelionatários. Cometidos por alguns empresários já conhecidos e outros identificáveis sem dificuldade. Com gastos não declarados ao Imposto de Renda nem à Justiça Eleitoral. Logo, crimes de caixa dois e de outras adulterações contábeis.

Já às revelações preliminares, por sua gravidade, o Tribunal Superior Eleitoral abriu procedimento para a praxe de “apurar os fatos”. Mas punida (com multa) foi, como se poderia esperar, a campanha de Fernando Haddad, acusada de ativar um site contra Bolsonaro. O ministro Edson Fachin considerou que tal prática desequilibrou a disputa. A balança da Justiça tem sensibilidades exclusivas.

A candidatura Bolsonaro não limitou seu benefício, entre as transgressões suscitadas, a ações eleitoreiras por meios automatizados e em massa. Essas mensagens estavam repletas de fake news caluniosas, com Haddad como alvo preferencial. Outra exigência legal descumprida é da inclusão de empréstimos de aviões, carros, escritórios e apoios materiais em geral no custo declarado da campanha. Nas contas eleitorais de Bolsonaro, que se gaba do “gasto de só R$ 2 milhões na campanha”, não foi incluído o alto custo das contribuições empresariais com a contratação de mensagens em massa. Burla que se repetiu como fraude na prestação de contas à Justiça Eleitoral.

Nada disso despertou a atenção dos que conduzem as instituições ditas democráticas.

*

Nem a medieval Tradição, Família e Propriedade resistiu aos tempos bolsonaros: a TFP rachou. O grupo no poder interno, encabeçado por Sérgio Diniz na linha do precursor Plínio Correia de Oliveira, acha que um outro, adversário, sabe como saiu do patrimônio, e para onde foi, uma dinheirama sumida. A família já não está unida, vê-se que a propriedade já não é garantida, mas uma certa tradição está viva e ativa.

*

Insultada por palavras sórdidas de um sujeito sórdido, Fernanda Montenegro recebeu o afago solidário, fosse explicitado ou não, de todos os que podem importar, aqui, em algum sentido. A referência aparente na reação foi o fascínio pela atriz, mas o que mais comoveu e moveu foi, com certeza, a pessoa, foi a mulher, foi a claridade com que Fernanda Montenegro construiu 90 anos, a se completarem na próxima quarta-feira (16), da árdua e brava arte da dignidade. E ainda nos doou Fernandinha Torres, talento fenomenal.

“Prólogo, Ato, Epílogo”, de Fernanda Montenegro, claro.

 Fonte: Folha de São Paulo


    Para que a memória prevaleça

    Saiba mais em catarse.me/quarenta

     

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.