Irmandade da Boa Morte

Publicado em: 05/09/2010 às 18:26
Irmandade da Boa Morte

(Histórias da Bahia e do Recôncavo)

Por Emanuel Medeiros Vieira.

(Em memória de meu pai Alfredo – um honrado devoto de São Francisco, e o mais caridoso ser humano que conheci na minha vida.)

Não se sabe a data do seu nascimento, mas acredita-se que a primeira irmandade da Boa Morte em solo brasileiro tenha nascido em 1707.

Mas a Irmandade da Boa Morte – criada por mulheres negras -, ao contrário das outras, não contou com a legitimação pelo poder do Estado ou da Igreja Católica.

Caracterizada pela devoção à Nossa Senhora da Boa Morte, da Assunção ou da Glória, a irmandade ritualiza a morte e a assunção de Maria que, segundo a doutrina católica, foi levada ao céus como seu filho Jesus.

A subida ao espaço celeste é um dos dogmas instituídos pelo Papa Pio XII, em 1950.

A origem do culto à Boa Morte data do século VII, em Roma, pelos jesuítas.

Em Portugal, começou em Lisboa, em 1660.

Em Cachoeira, teria tido origem em 1860, quando a tensão social era muito intensa, segundo os historiadores.

Conheci a irmandade (durante os seus festejos anuais, em agosto de cada ano) numa recente viagem à Cachoeira, belíssima cidade história do Recôncavo Baiano, distante de Salvador  a aproximadamente 110 quilômetros.

(Lembro de duas outras bonitas cidades da região: Santo Amaro da Purificação e São Félix  — separada de Cachoeira por uma ponte.)

O propósito religioso era católico, mas identidade foi buscada no candomblé.

É isso o que me fascina nessa irmandade: sua liturgia, que transita entre dois ritos, tão marcantes na identidade baiana, onde a influência negra é uma das mais fortes do mundo.

É preciso lembrar que em Cachoeira travaram-se intensas lutas pela Independência da Bahia e do Brasil, como também foi muito forte a luta pela abolição da escravatura.

Formada exclusivamente por mulheres, com idade de ingresso a partir dos 40 anos, todas as 23 integrantes são negras e descendentes de escravos.

O empreendedorismo das mulheres negras que fundaram a Boa Morte está na origem de suas antepassadas.

“Elas vieram da sociedade iorubá, que era urbana e organizada. Eram conhecidas como negras do partido alto, que dominavam o comércio dos gêneros de primeira necessidade e conseguiram equilíbrio financeiro”, explica o historiador Cacau Nascimento, estudioso da irmandade.

O culto à Virgem Maria é oriundo de um sentimento de gratidão pela obtenção de uma promessa: o fim do regime de escravidão.

As negras da Irmandade da Boa Morte usam o drama da morte e assunção de Maria como metáfora para o culto aos eguns.

É como os sete dias de axexê (o ritual fúnebre do candomblé), com três dias públicos e quatro privados.

Ser negra é necessário, mas não é o bastante para constar em “ata” – como se diz quando a candidata é aceita pelas integrantes da Irmandade da Boa Morte .

Na rígida hierarquia do grupo, além da dedicação à Nossa Senhora, tem de ter idade avançada e passar por avaliação.

Na fase de observação (que dura três anos), as mulheres são chamadas “irmãs de bolsa”.

De tradição oral, os segredos só são repassados para as irmãs e cada uma alcança um grau de conhecimento de acordo com o tempo, dedicação e determinação das irmãs mais antigas.

Segundo a jornalista Juci Machado, “são esses segredos que garantem a existência delas”.

São cinco dias de festa, preparados com um ano de antecedência.

A disposição de servir nunca falta: “Nossa Senhora da Boa Morte também nos dá vida e força para continuar”, diz Adeíldes Ferreira de Lemos, 64 anos, que faz parte da Irmandade.

(Teria outros relatos, mas o texto  ficaria muito longo.)

Mas conhecer o Recôncavo*, foi uma bela experiência.

Internalizei novamente a ideia do Sagrado (em rituais tão belos), num mundo tão dessacralizado,  profano e utilitarista – que  constitui o nosso capitalismo tupiniquim.

Não deixa de ser uma forma de resistência à globalização excludente.

Milton Santos (1926-2001), o grande geógrafo baiano , respeitado mundialmente, dizia que era preciso “encontrar um caminho que nos libere da globalização perversa que estamos vivendo e nos aproxime da possibilidade de construir uma outra globalização, capaz de restaurar o homem na sua dignidade”.

*O termo recôncavo, originalmente usado para designar o conjunto de terras de qualquer baía, se associou, no Brasil, desde os primórdios da colonização à região que forma um arco em terno da Baía de Todos-os-Santos (onde se encontra Salvador).

Salvador, Agosto de 2010.

Deixe uma resposta