Influência de África na cultura brasileira junta crianças e músico

São Paulo – Crianças e jovens do Projeto Guri, o maior programa sociocultural do Brasil, vão apresentar, ao lado do músico e percussionista Naná Vasconcelos, um espetáculo sobre as influências de África na cultura brasileira, no dia 13, em São Paulo. O grupo procura apoios para levar a apresentação também a Portugal, com o nome “Calungá – o mar que separa é o mar que nos une”.

O espetáculo musical e cénico, de voz e percussão, e feito por 36 artistas entre os 8 e os 19 anos.

O exibição, que foi montada em três meses e já encenada duas vezes no interior do estado, aborda ritmos brasileiros criados a partir da cultura dos escravos levados para o país pelo colonizador português, como samba, maracatu e jongo, além de poesias e um cenário formado por projeções de vídeo que remetem para a influência africana.

O ponto de partida foi um álbum gravado em 1982 pelos cantores brasileiros Clementina de Jesus, Tia Doca e Geraldo Filme, chamado “Cantos dos Escravos”, e baseado nos cânticos no dialeto bantu, entoados pelos escravos que trabalhavam nas mineiras em Minas Gerais.

Após o Brasil, o grupo pretende apresentar-se em Portugal, mas ainda procura um parceiro ou um patrocínio para a viagem, segundo o Projeto Guri.

“Portugal também é um dos alicerces culturais para o Brasil, e teve a responsabilidade de trazer os escravos para cá; de trazer essa cultura negra que tanto nos influencia”, afirmou à Lusa Chico Santana, diretor artístico do Projeto Guri e diretor do Espetáculo  Calungá.

Santana realça a importância do mar no espetáculo (calungá significa mar em bantu), e afirma que os participantes, que possuem entre 8 e 19 anos, foram levados para uma praia para se inspirarem. Eles também receberam explicações sobre a história dos escravos no Brasil.

Naná Vasconcelos, artista convidado e co-diretor, afirma que é importante que os cantores e percussionistas tenham consciência de que o espetáculo é baseado em algo que realmente aconteceu no Brasil e nas antigas colónias portuguesas em África.

Fonte: http://www.portalangop.co.ao/

“Muitas coisas que saíram de partes diferentes de África se encontraram no Brasil pela primeira vez. Como a capoeira de Angola e o berimbau de Moçambique. Aqui se juntaram e fizeram a espinha dorsal da nossa cultura”, disse Vasconcelos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.