I Conferência Internacional de Agricultura Urbana em Berlim

Como tema principal a Conferencia tratou de políticas públicas municipais na promoção da Agricultura Urbana (AU), também foram debatidos os temas sobre cooperação entre Norte e Sul Global para a promoção da AU e a importância da AU para estratégias de programa sobre mudanças climáticas. A conferência contou com representantes governamentais e não governamentais, ativistas sociais, políticos de diferentes esferas e pesquisadores.

Sendo um dos poucos brasileiros a participar, fui convidado pelo organizadores, justamente por estar atuando com o tema da Agricultura Urbana desde 2003 e ter feito esta transição de praticante para ativista social e agora ocupando a política institucional como vereador no legislativo de Florianópolis/SC.

Na ultima plenária geral, com aproximadamente 200 pessoas, fiz minha participação no painel em formato de aquário que tinha uma pergunta motivadora: “O que precisamos para promover agricultura urbana em nível global?”. Dividindo o espaço com representantes de Quito, Berlim e Maputo, pude falar da experiência de construção da sociedade civil através das ONGs, Movimentos Sociais e grupos autogestionados que há quase 2 décadas são os grandes promotores da AU no Brasil e em Florianópolis.

Falei da importância das redes como a Rede Semear Floripa – Agricultura Urbana em Florianópolis e do Coletivo Nacional de Agricultura Urbana que promoveu o Encontro Nacional de Agricultura Urbana (ENAU) em 2005 no RJ. A ausência de uma política nacional de AU, o decreto municipal, fruto da construção na Rede Semear e a tramitação do PL da Política Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica do nosso mandato que vem chegando ao final de sua tramitação na Câmara Municipal de Florianópolis chegando também estiveram na fala.

A denúncia do Golpe do Temer com a força da bancada ruralista, a destruição da Amazônia e a injusta disputa de modelo da AU com a cadeia agroalimentar do agronegócio global que tanto destrói comunidades, populações, trabalhadores rurais, indígenas, usurpam dos ecossistemas e dos ambientes equilibrados deixando as externalidades de degradação, populações extintas e as pessoas doentes pelo alto nível de contaminação por agrotóxicos e fertilizantes químicos sintéticos estiveram presentes em minha fala.

Sabendo que a agricultura urbana promove a aroecologia, amplia a diversidade agroalimentar, diminui a distancia entre quem planta e quem consome, pode ser uma potente ferramenta pedagógica e questionadora do agronegócio, gera renda e preserva recursos, ainda assim, vive sem apoio financeiro dos governos. Temos como exemplo o caso que no Brasil os agrotóxicos não pagam ICMS, em contrapartida não temos um programa de agricultura urbana e em Santa Catarina não temos ao menos um programa de agroecologia. Diante disso, precisamos repensar a cadeia agroalimentar onde o alimento é visto somente como mercadoria e o lucro está no centro para também avançarmos com a Agricultura Urbana no nível global.

Oficinas e rodas de apresentações de experiências dos continentes africano e asiático, da América Latina, Oriente Médio e Leste Europeu estiveram dentro da programação. Muitos projetos acontecendo pelo mundo, muita resistência e muita gente vivendo da Agricultura Urbana. Ficou a certeza que está valendo toda a luta que travamos, todo esforço de incluir no orçamento do município apoio financeiro para AU, nas mendas propus desde capacitações até infraestrutura, mas infelizmente foram reprovadas no PPA e LDO. Ainda espero incluir na LOA, se o plenário aprovar nossas emendas, pois só assim haverá compromisso da gestão com o tema, pois muitos trabalhadores e trabalhadoras da rede pública municipal já desenvolvem ações em parceria como a sociedade civil e universidades no âmbito da agricultura urbana em diferentes secretarias como a de saúde, educação, Comcap, Floram, etc.

Por fim, tivemos 3 saídas de campo conhecendo projetos em Berlim e arredores, desde jardins coletivos, áreas que a prefeitura arrenda ou cede para os moradores, parques agrícolas, ocupações de coletivos artísticos e de agricultura urbana em áreas abandonadas, etc. Todas ações inspiradoras, porém que deixam a certeza que temos muitos projetos de ponta no Brasil e em Florianópolis Não estive com olhos e olhares colonialistas e de transferência tecnológica, estive como um agente politico e ativista na busca de ampliar as relações em rede no nível global, bem como de avaliar nossas praticas e perceber o quanto temos de potencialidades nas ações diárias no Brasil e em Florianópolis. Mas também com olhos abertos para me inspirar, para enxergar o belo e ter parâmetros comparativos.

Continuaremos nesta construção neste misto de ativista social e político institucional cheio de práticas, projetos, sonhos e utopias já vividas.

 

Marcos José de Abreu – Vereador de Florianópolis/SC pelo PSOL

Este slideshow necessita de JavaScript.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.