Guerreiros dos desaparecidos

Publicado em: 13/05/2017 às 13:48
Guerreiros dos desaparecidos

Por Luara Wandelli Loth.

Trabalho da jornalista Luara Wandelli Loth fará parte das atividades das Jornadas Bolivarianas, 13 edição. O material, composto de 22 fotos estará exposto no Hall da Reitoria.

A exposição “Guerrero dos Desaparecidos” faz parte da grande reportagem, de autoria da jornalista Luara Wandelli Loth, produzida em 2016: “Guerrero dos desaparecidos”, que narra histórias vividas por famílias assoladas pela violência no estado mexicano de Guerrero, no sul do México.

Atualmente Guerrero apresenta os maiores índices de homicídio do país e tem o segundo maior indicador de pobreza extrema. A população indígena tem forte influência em todas as esferas da vida social e há décadas cria alternativas à violência de Estado e ao subdesenvolvimento.

Nas décadas de 1960-70, Guerrero foi um dos principais cenários da chamada Guerra Suja, que, como outros eventos de terrorismo de Estado na América Latina, deixou um rastro de centenas de desaparecimentos forçados e tortura. Desde 1960, a Serra do Estado de Guerrero está tomada pelos campos de amapola, matéria-prima da heroína. Nos últimos anos, a região desbancou o Oriente Médio e estima-se que produza 60% da heroína consumida nos Estados Unidos – o maior mercado da droga.

Um crime, em setembro de 2014, faria com que o mundo todo voltasse os olhos para essa região empobrecida: o desaparecimento forçado de 43 estudantes de uma escola rural que forma professores para o ensino primário, a Normal Rural Raúl Isidro Burgos do pequeno município de Ayo­tzinapa. A convulsão social, originada pela indignação com a participação do Estado, fez com que centenas de famílias se organizassem para cobrar do governo medidas em relação à crise de direitos humanos, cujo ápice é o elevado número de desaparecimentos.

expo12

São 27 mil desaparecidos desde 2006. As famílias que compartilham a dor organizam-se de diferentes formas, mas o grupo que mais impressiona é o de Iguala, cidade onde ocorreu o desaparecimento dos 43 normalistas. Todos os domingos um coletivo de familiares, autodenominado Os Outros Desaparecidos de Iguala, sobe os morros que circundam a cidade em busca de fossas clandestinas. Mais de 125 ossadas já foram encontradas graças ao esforço destes buscadores. A reportagem busca revelar que, por de trás da dor, há muita luta e vontade de fazer com que os corpos ocultados que pairam sob o solo de Guerrero brotem como férteis sementes de transformação.

Fonte: IELA. 

Deixe uma resposta