Guedes quer acabar com salário mensal: trabalho será pago por hora e precarização será a regra

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

247 – O ministro da Economia, Paulo Guedes, quer liquidar de vez com o regime de trabalho vigente no país e inaugurar o tempo do regime de contratação por hora trabalhada, acabando com o salário mensal. Se o projeto for realizado, todos os trabalhadores do país serão precarizados, como os entregadores dos aplicativos.

Segundo o jornalista Antonio Temóteo, do UOL, o governo deve enviar ao Congresso Nacional uma proposta para criar o regime de contratação por hora trabalhada. Seria definido um valor mínimo por hora trabalhada, com base no salário mínimo, mas pode haver uma regulação “selvagem”, sem qualquer garantia para os trabalhadores.. Hoje já existe o trabalho intermitente, pago por hora, resultante da reforma nas relações de trabalho inaugura no governo Temer, depois do golpe contra Dilma Rousseff. 

A ideia de Guedes é que o regime de hora trabalhada acabe com direitos como férias remuneradas, 13º salário e FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Entretanto, técnicos da equipe econômica têm alertado que esses benefícios são constitucionais, e a proposta dificilmente será aprovada no Congresso. Para os técnicos, os valores de férias, 13º e FGTS devem ser calculados proporcionalmente, com base nas horas trabalhadas.

 

Florianópolis faz tempo que perdeu a magia

Florianópolis faz tempo que perdeu a magia.Leitores e leitoras do Portal Desacato e audiência do JTT Agora, bom dia.Morar na Ilha de Santa Catarina ou na parte continental de Florianópolis, sem conhecer o tecido social e seus problemas cotidianos, parece um grande privilégio. A cidade é indiscutivelmente muito bela. Uma paisagem natural exuberante deitada no litoral Atlântico. Mar, rios, córregos, lagoas e morros fazem a delícia dos turistas, mas quem mora na capital catarinense tem motivos para dizer que isso é suficiente, que tudo funciona bem? Não, não tem.Florianópolis é profundamente desigual. Governada de contínuo, desde sua fundação, pelos interesses das elites locais, com exceção de um único governo de caráter progressista na década de noventa, que trouxe inspirações que ainda perduram em boa parte da população, como a participação popular intensa nas decisões da gestão municipal, tem pouco de mágica e muito de injusta, engessada e violenta. A capital manezinha é caótica em vários aspectos. A desorganização do sistema de transporte público e privado de pessoas é fator de mal-estar constante. A estimulação do transporte individual, na contramão do que as grandes capitais mundiais vêm fazendo há anos, asfixiou Florianópolis. A visão errada e classista de deslocamento humano da prefeitura olhou apenas para os interesses do conglomerado vinculado à comercialização, uso e manutenção do carro particular. Enquanto isso, o deslocamento em morros e periferias é muitas vezes tortuoso e até inviável, dificultando o acesso pleno a serviços médicos, alimentação, educação e segurança. Mas o transporte é apenas um exemplo do que não funciona em Florianópolis. Seguindo as orientações da economia capitalista neoliberal, a cidade terceirizou serviços de importância estratégica para a vida das comunidades. Saúde, limpeza e educação foram compartilhadas com a iniciativa privada para atender as políticas de redução que buscam um estado e um município mínimos.A falta de oportunidades, o desemprego e o emprego informal são outra mazela deste centro turístico internacional que procura esconder os pobres nas masmorras do setor de serviços, afastá-los do convívio social e submetê-los a atividades de subserviência às elites e aos setores da classe média que as apoiam. A miséria aumenta dramaticamente a violência. A comunidade negra é vítima de uma agressão e repressão policial nunca vista antes na cidade, tanto na ilha como na região continental. O problema habitacional não para de crescer. Florianópolis faz tempo que perdeu a magia. Precisamos uma cidade diferente, onde a beleza não seja o biombo que oculta as desgraças da desigualdade, a discriminação e a violência que tentaram dissimular os diversos administradores que, ano trás ano têm se revezado na condução da cidade. Há que mudar o cotidiano de Florianópolis, virtuosa na beleza, intolerante e desigual na realidade.#NossaOpinião #Editorial #Desacato13Anos

Posted by Desacato on Tuesday, July 14, 2020

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.