Greve na França afeta transportes e escolas nas primeiras horas da manhã

Manifestantes saem às ruas de França nesta quinta-feira para contestar a reforma do sistema de pensões. Pela manhã, há serviços fechados e poucos transportes públicos em funcionamento.

Foto: Jean-Paul Pelissier/Reuters

greve contra o projeto de reforma das pensões em França, propostas por Emmanuel Macron, está a sentir-se esta quinta-feira nos transportes ferroviários e aéreos, assim como nos estabelecimentos de ensino e museus.

A Sociedade Nacional de Caminhos de Ferro (SNCF) já alertou que apenas circula um em cada dez comboios de alta velocidade (TGV), verificando-se a mesma situação nas ligações ferroviárias nos arredores de Paris e nas ligações Intercidades.

A circulação dos comboios que fazem as ligações regionais está restringida a um em cada cinco e as viagens de comboio internacionais “estão muito afetadas” devido à paralisação. Alguns jornalistas franceses dizem que há estações de comboio desertas.

A reforma proposta por Macron pretende substituir os 42 regimes de pensões que existem atualmente por um sistema por pontos e põe fim a direitos laborais, nomeadamente, aos profissionais da SNCF e da rede metropolitana de Paris. Por este motivo, prevê-se uma adesão muito elevada à greve por parte do sector ferroviário, mas também dos transportes aéreos.

Ainda não se sabe qual a duração exata da greve: é provável que dure até segunda-feira, o que levou a ministra da Transição Ecológica, Élisabeth Borne, a dizer que “não se prevem melhorias nos transportes amanhã [sexta-feira]”.

A Direção Geral da Aviação Civil (DGAC) referiu-se à anulação de pelo menos 20% dos voos desta quinta-feira com origem ou destino em França. Em todo o país estão convocadas 245 manifestações, mas o protesto principal está marcado para as 14h (13h em Lisboa) em Paris. Neste momento, o metro de Paris suspendeu 11 das 16 linhas e outras três vão funcionar com restrições.

A distribuição de jornais em papel também foi “fortemente afetada” nesta quinta-feira, escreve o Le Figaro. Este e outros jornais nacionais decidiram não imprimir a versão deste dia “devido à greve”, mas ressalvam que todos os jornais continuam a funcionar normalmente na versão online.

Os sindicatos CGT, FO, FSU, Solidaires, UNL e UNEF convocaram a greve por considerarem que o novo regime vai atingir um grande número de pensões e “vai degradar os direitos de todos”. “Estamos em greve pela melhoria do sistema atual”, disse à cadeia de televisão BFMTV, Philippe Martinez, líder da CGT.

Entretanto, o secretário francês dos Transportes, Jean-Baptiste Djebbari, admitiu que “é preciso ser lúcido” e prevê que as paralisações podem prolongar-se durante vários dias. Djerbbari acrescentou que vai reunir-se esta quinta-feira com os sindicatos para tentar encontrar soluções para a crise.

Uma sondagem Odoxa para o jornal Le Figaro revelou que 66% desejam que se acabe com os 42 tipos de regimes de pensões. E sete em cada dez franceses concordam com a greve.

Na capital, a Torre Eiffel foi fechada por falta de funcionários e há um dispositivo de cerca de seis mil polícias preparados para quando as manifestações começarem, por se recear a ação de “grupos violentos”. A “greve do 5 de Dezembro” está contra a reforma do sistema de pensões e pode paralisar até 40% das escolas de França. Ainda que a greve aconteça em todo o país, são esperados mais de 25 mil manifestantes em Paris.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.