Greve agrária na Colômbia reflete na fronteira com o Equador

fronteira_colombia_equador_andes 2A greve nacional da Colômbia agora em seu oitavo dia, afetando diretamente o comércio na cidade fronteiriça de Tulcán, segundo a agencia Andes, do governo equatoriano. As lojas na cidade andina permanecem fechadas devido à falta de compradores, especialmente do setor de alimentos. Para os lojistas equatorianos, o prejuízo e quase total, pois a estimativa é que de nove em cada dez clientes são colombianos que o transporte de mercadorias para o seu país.

Olga Reascos, presidente da Associação dos Comerciantes Atacadistas de Tulcán, afirma que a situação tem sido “terrível” nas últimas semana, desde que o ‘Paro Agrário’ foi declarado. “Em nosso setor só o que se vê é a desolação, algumas locais foram fechados e como coincidiu com as férias, alguns saíram da cidade.

O comerciante Luis Lucero só trabalha com produtos equatorianos exportados para o país vizinho, atendendo entre trinta e quarenta clientes em uma semana normal, no entanto, desde o início da greve não recebeu um único comprador do outro lado da fronteira. “Esta greve nos afeta muito, tanto os comerciantes, como o transporte pesado, leve e todos os trabalhadores, sejam carretoneros, carregadores, porque tudo é uma cadeia, nós dependemos uns dos outros e estamos todos de braços cruzados “, lamentou-se.

Nos escritórios de imigração, localizados na Ponte Internacional Rumichaca, o ingresso médio de pessoas do norte do país está caindo de 1000 para 200, desde o início da greve, embora a ponte permaneça aberta ao trânsito nacional e internacional, no entanto são poucos os veículos que circulam no lugar. O Ministério das Relações Exteriores do Equador está aconselhando seus cidadãos a evitarem a movimentação por terra para a Colômbia, devido à situação difícil do país, e pediram que evitasse viajar para o país vizinho até que a situação volte ao normal. O Governo tomou medidas para ajudar os equatorianos afetados por esta medida.

Fonte: ADIAL

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.