Greve de Fome por Justiça no STF – 13º dia

Por Marcos Corbari / Adilvane Spezia, MPA-Rede Soberania.

Os sete grevistas de fome que chegam ao 13o dia sem receber nenum tipo de alimento tiveram um domingo repleto de atividades e foram submetidos a fortes emoções. A data, 12/08, em que se comemora o Dia dos Pais teve direito até a surpresa para Jaime Amorin, que recebeu a visita da esposa e filhos, que vieram de Pernambuco junto com o grupo que participa da Marcha Nacional Lula Livre. Zonália Santos também teve uma visita especial, o filho Fagner, de 20 anos, que veio de Rondônia e passou algumas horas ao lado da mãe dividindo o espaço de repouso. Gegê Gonzaga recebeu a visita do irmão, o cantor Chico César, que se apresentaria em um festival na cidade, à noite. Além de prestar solidariedade, Chico cantou algumas canções para os grevistas e equipe de apoio e recebeu em contrapartida poemas e canções da Caravana Nacional de luta Camponesa Clodomir de Moraes e da grevista Rafaela Alves. O grupo, que tem ainda a presença de Vilmar Pacífico, Leonardo Rodrigues e Frei Sergio Görgen recebeu dezenas de visitantes, vindos dos quatro cantos do Brasil, através dos grupos que estão se agregando às caravanas.

Este slideshow necessita de JavaScript.


O dia começou mais cedo que de costume, com uma ação direta de finalidade simbólica que foi executada em frente ao bloco habitacional onde reside o ministro Edson Fachin, do STF. O acesso ao imóvel, na Asa Sul de Brasília, foi ocupado por cerca de uma hora, onde os grevistas e outros ativistas envolvidos com a marcha e com as demais programações do período participaram de uma celebração ecumênica presidida pelo frei capuchinho Wilson Zanatta, vindo do Rio Grande do Sul, tendo ainda a participação da pastora Maria Aparecida Rodrigues Barbosa, da igreja evangélica Deus é Amor no sul da Bahia, e do reverendo presbiteriano Luis Sabanay. Embora os zeladores do prédio tenham acionado um grupo de segurança privada, a Polícia Militar e a Polícia Federal, não houve incidentes e o ato – pacífico – se realizou com tranquilidade.

A grevista Rafaela Alves explicou que a escolha pela celebração em frente a residência do ministro Fachin se deu pela compreensão que ele e seus colegas tem o poder de decidir colocar ou não a justiça a serviço “dos mais pobres, dos humilhados, dos sem pão, dos que estão num mundo de abismo por falta de democracia, por falta de justiça”. O pronunciamento foi forte, inclusive sugerindo ao ministro – reconhecido publicamente como católico praticante – que releia os evangelhos e e interprete adequadamente, para perceber que os rumos políticos que tem se dado à justiça brasileira estão conduzindo a uma situação grave, onde homens, mulheres e crianças estão tendo seu futuro cerceado e até mesmo chegando a morrer por falta de alimento.

O dirigente do MST e Via Campesina, João Pedro Stédile, mais uma vez acompanhou a rotina da greve, conduzindo os grupos de caravanistas no encontro com os grevistas. Para ele, o envolvimento crescente do povo trabalhador com as atividades que culminam com o registro da candidatura de Lula como candidato à Presidência da República no dia 15. “Somente o povo nas ruas tem força para fazer valer a sua opção, se o povo não se manifestar esses que estão aí, ocupando os postos de autoridade, vão continuar conduzindo o país conforme a sua vontade”, afirmou. Stédile – embora preocupado com o estado de saúde dos grevistas – enaltece o espírito de sacrifício dos sete que colocaram a própria vida como instrumento de luta, oferecendo seu exemplo como fator de mobilização popular e pressão frente aos desmandos daqueles que estão nas posições de poder.

A vice-presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Jessy Daiane, também esteve em visita de solidariedade aos grevistas e reforçou o pedido pelo envolvimento popular, com mobilização e presença nas ruas. “Viemos aqui trazer uma mensagem de solidariedade e força, mas também garantir aos nossos grevistas que do lado de fora estamos fazendo a nossa parte, nas ruas, na luta pela justiça, na luta contra a fome, na luta para devolver ao povo brasileiro um país que foi usurpado pelos golpistas”. A dirigente destacou como exemplo de resposta que o povo já está dando aos poderes constituídos as colunas que se deslocam em marcha até Brasília e a expectativa de uma grande manifestação popular no dia 15, quando será registrada a candidatura de Lula.

No final do dia a equipe de saúde – que reúne médicos populares e psicólogos voluntários – reuniu-se e sugeriu a diminuição do ritmo de atividades aos grevistas, propôs redobrar os esforços de acompanhamento e também intensificar os cuidados quanto aos visitantes que tem acesso aos sete, sempre tendo em vista a preservação de sua saúde física e emocional. A greve de fome entra agora em dias que podem ser decisivos para evitar que o ato se prolongue e coloque em risco a vida do ativistas. Espera-se que nos próximos dias a ministra-presidenta do STF, Carmen Lúcia, receba representantes dos grevistas e manifeste-se a respeito dos pleitos apresentados.

Boletim Médico – 12/08/18

Os seis primeiros ativistas a aderir à greve de fome – Jaime Amorim, Vilmar Pacífico, Zonália Santos, Rafaela Alves, Frei Sergio Görgen e Luiz Gonzaga (Gegê) – chegaram ao 13o. dia sem receber alimentação. Já Leonardo Rodrigues, que aderiu ao grupo com o ato em andamento, chegou ao 7o. dia de greve. O quadro de saúde segue fragilizado, como previsto pelo corpo médico, que tem redobrado a atenção, mantendo acompanhamento permanente, 24 horas por dia.

Hoje se notou – após uma sequencia de intensa atividades que envolveram ato público e recepção de grupos de visitantes – um desgaste físico mais marcante, sendo que três dos grevistas tiveram quadro leve de desidratação, constatado após o retorno do ato em que participaram de celebração em ambiente aberto.

Durante a tarde a equipe médica suspendeu as visitas até as 16 horas para que os grevistas repousassem e, após, passaram a encaminhar um a um para receber terapias localizadas com vistas a diminuir a incidência de fadiga muscular e dores de cabeça.

Toda equipe de apoio esteve atenta também para com os aspectos comportamentais, uma vez que familiares tem manifestado preocupação com os grevistas e, hoje, comemorou-se o Dia dos Pais, uma data que normalmente inspira reações mais agudas. O grupo de psicólogos que acompanha desde o primeiro dia a greve também esteve presente monitorando esse aspecto. Como previsto, a ansiedade e irritabilidade tem crescido diariamente.

Conforme relatado pela médica de família e comunidade, Maria da Paz Feitosa de Sousa, os cuidados em relação ao contato dos grevistas com visitantes estão sendo ampliados, devido à fragilidade crescente que apresentam. Os horários de visita deverão ser restringidos nos próximos dias e grupos maiores evitados, assim como o contato direto de visitantes com os grevistas. A participação dos sete em atos públicos também deverá ser reavaliada diariamente pela equipe de saúde.

Por Comunicação da Greve de Fome

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.