Greve continua: professores chilenos rejeitam proposta do governo

Foto: El Desconcierto

Depois que a Associação de Professores e o Ministro da Educação tiveram uma série de reuniões na semana passada, que resultaram numa proposta do governo aos professores, na segunda-feira os professores mobilizados decidiram rejeitar a proposta e continuar com a greve.

A greve, que já dura há um mês, vai continuar por um tempo depois que a Associação de Professores rejeitou a proposta do governo para resolver as demandas do sindicato.

O sistema de votação dos professores tinha três alternativas: 1) aceitar a resposta completa do Ministério da Educação e derrubar a greve. 2) Aceitar parcialmente a resposta do Mineduc, considerando-a insuficiente, depor a greve e mandatar a direção nacional para elaborar um plano de ação. E 3) não aceitar a proposta do Governo e continuar em paralisação indefinidamente.

O primeiro obteve 866 votos, 2% do total. O segundo 24%, ou seja, 9.959 votos. O terceiro e vencedor, obteve 30.525 preferências representando 73% dos votos contados.

A este respeito, o secretário-geral do Magistério, Dario Vásquez, explicou que até agora mais de 60% dos votos foram revisados.

Apesar disso, o presidente do Colégio de Professores, Mario Aguilar assegurou que “o Magistério do Chile falou, embora seja certo que faltam escrutínios e acreditamos que vamos superar os 50 mil votos pela participação de mais de 50 mil colegas de todo o Chile, o resultado nos parece que já marca uma tendência indomável, não vai variar as percentagens principalmente, nos parece com o que já está escrutinado”.

“Portanto, podemos anunciar oficialmente que o Magistério do Chile rejeitou a proposta do governo e, portanto, mantemos nossa greve nacional indefinidamente”, acrescentou Aguilar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.