Governo anuncia corte de 34% na verba de 2020 para combate a incêndios na Amazônia

Servidores do Ibama afirmam que os incêndios se tornaram algo secundário no ministério; Ricardo Salles teria acabado com departamento responsável pelo controle das queimadas

Foto: ESA / NASA – L. Parmitano

Em meio à crise das queimadas e desmatamentos na Amazônia, somada ao desgaste da imagem do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o ministério do Meio Ambiente, de Ricardo Salles, anunciou redução de 34% na verba para combate de incêndios em 2020. O orçamento do governo para a pasta caiu 10%, e serão R$ 561 milhões ante R$ 625 milhões autorizados anteriormente. O corte atingiu em cheio os recursos para prevenção e controle de incêndios no bioma, fazendo com que os valores caíssem de R$ 45,5 milhões para R$ 29,6 milhões.

Na visão de servidores do Ibama, ouvidos pelo jornal O Globo, os cortes colocam em risco a capacidade do órgão de prevenir novas ondas de incêndios. “Com R$ 29 milhões previstos, o valor a ser executado no decorrer do ano será menor ainda, porque sempre há contingenciamento. Isso agrava a situação, e coloca em risco o cronograma de medidas preventivas, que são as campanhas de comunicação e educação ambiental em municípios mais vulneráveis aos incêndios”, disse um dos servidores.

Veja mais: Chapecó: Ao Vivo, estudantes que ocupam a UFFS gritam Fora Marcelo

Ainda de acordo com os servidores, a questão dos incêndios se tornou algo secundário dentro da pasta. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, teria acabado com o Departamento de Florestas e Combate ao Desmatamento, responsável pelo controle de incêndios na Amazônia.

Outras áreas importantes da pasta também foram atingidas pelos cortes. A verba disponível para os processos de licenciamento ambiental, geralmente voltados a obras de impacto relevante no meio ambiente, caiu de R$ 7,8 milhões para R$ 4,6 milhões. Já os recursos referentes à gestão do uso sustentável da biodiversidade e recuperação ambiental, que tinha um valor autorizado de R$ 15,9 milhões para este ano, contará com R$ 11,5 milhões em 2020.

Leia mais: Seguranças de mercado amordaçam, chicoteiam e filmam adolescente por furto de chocolate

Incêndios

Enquanto o governo anuncia cortes, dados atualizados do Instituto Nacional e Pesquisas Espaciais (Inpe), com base em imagens de satélite, mostram que as queimadas no bioma Amazônia tiveram um avanço de 196% em agosto de 2019, atingindo nada menos do que 30.901 focos ativos, contra 10.421 em relação ao mesmo período de 2018.

No caso de todo o território do país, as queimadas também aumentaram: foram 51.936 focos em agosto, aumento de 128% em relação ao mesmo mês de 2018, quando foram registrados 22.774 focos. São os maiores números registrados para agosto desde 2010, ainda de acordo com dados do Inpe.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.