Golpe degradou o Brasil diz pesquisador norte-americano

Em 247.

O golpe dos corruptos contra uma presidente honesta, ocorrido no Brasil em 2016, provocou a maior degradação da história do País, na avaliação de Mark Weisbrot, codiretor do Centro de Pesquisa Econômica e Política, em Washington; “A deterioração da democracia, do Estado de direito e dos direitos civis é o que ocorre quando uma elite corrupta utiliza uma ‘mudança de regime’ ilegítima para aprovar à força mudanças estruturais grandes e regressivas para as quais jamais ganharia apoio nas urnas”, diz ele; “O governo atual não tem nada a oferecer, exceto uma repetição do fracasso econômico de longo prazo de 1980-2003, que a população não vai aceitar. Vem daí a degradação que está promovendo das mais importantes instituições políticas do país”

247 – Alguns previam que o afastamento de Dilma Rousseff sem crime de responsabilidade resultaria numa degradação maior das instituições e do Estado de direito.

“Foi exatamente o que aconteceu, seguido pela repressão política que quase sempre acompanha esse tipo de ‘mudança de regime'”, afirma o economista norte-americano Mark Weisbrot, codiretor do Centro de Pesquisa Econômica e Política, em Washington, e presidente da Just Foreign Policy, organização norte-americana especializada em política externa.

Em artigo na Folha de S.Paulo esta quinta-feira 22, ele cita alguns exemplos dessa degradação, como a invasão, a tiros, pela polícia a uma escola do MST em São Paulo. “A politização do Judiciário já era um problema de importância maior no período que antecedeu o afastamento de Dilma. Agora assistimos a uma corrosão maior das instituições, quando um juiz do Supremo Tribunal Federal emitiu uma liminar afastando Renan Calheiros da presidência do Senado”, acrescenta.

A PEC do teto dos gastos, para ele, se trata de uma “emenda constituição escandalosa”, um “inusitado compromisso de longo prazo com a pobreza crescente”. “Os cortes que o governo propõe para as aposentadorias públicas vão atingir mais duramente a classe trabalhadora e os mais pobres”, lembra também, sobre a reforma da Previdência.

“A deterioração da democracia, do Estado de direito e dos direitos civis é o que ocorre quando uma elite corrupta utiliza uma ‘mudança de regime’ ilegítima para aprovar à força mudanças estruturais grandes e regressivas para as quais jamais ganharia apoio nas urnas”, escreve ainda o economista, para quem “os juros exorbitantes do país representam outra política macroeconômica fracassada que bloqueia a recuperação econômica”.

“O governo atual não tem nada a oferecer, exceto uma repetição do fracasso econômico de longo prazo de 1980-2003, que a população não vai aceitar. Vem daí a degradação que está promovendo das mais importantes instituições políticas do país”, conclui Weisbrot.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.