Gilberto Gil e a régua e compasso da Revista Piauí

Por Raul Longo.

 Recebo pela caixa postal eletrônica alguns links, entre eles um que me chamou a atenção: Gilberto Gil completa 70 metáforas incompreensíveis

Na pressa da leitura não encontrei o nome do autor que só percebi ao copiar a página para reproduzi-la aqui, abaixo de meu comentário sobre o que ali se escreve a respeito da poesia do consagrado compositor.

Na abertura do “blog do consa” que leva à versão eletrônica da Revista “Piauí” se indica que a reprodução dos textos do autor só é permitida se creditada a autoria. Nada mais justo, até porque o colaborador do “Consa” e da “Piauí” foi o próprio remetente à minha caixa postal: Hélio Consolaro.

Ele mesmo é o autor do que copiei adiante da minha resposta ao envio, inadvertidamente me reportando sobre alguém de quem não tivesse informação de quem fosse.

Cumprida a indicação da autoria da matéria e explicada minha falha no comentar o comentário divulgado pela “Piauí”, aí vão ambas para apreciação geral:

Hélio, não tive paciência para ler tudo, mas me interessou a matéria sobre as metáforas do Gilberto Gil.

Impressionante o comentarista em seu eruditismo filosófico, mas tão incapaz de superar o martelo concretista. Ao que faz notar que para ele a poesia parou em “Havia uma pedra no meio do caminho, no meio do caminho havia uma pedra…”, etc. e tal, que, para o próprio Drummond, foi exercício passageiro. Afinal não só o poeta tinha criatividade e inteligência para muito além, como nossa própria cultura, brasileira, oferece espaços e campos bem mais amplos do que os cinzentos concretos da paulistana Piauí.

Talvez o articulista exulte com o resgate do nome do estado nordestino numa publicação da mais rica cidade do sudeste do país, mas, perceptivelmente não faz ideia alguma da cultura nordestina, daí tanto se espantar com a bem humorada licenciosidade em metáforas e aliterações, tão comum entre aquela cultura por heranças e miscigenações afro-indígenas.

O próprio Gil há muito já tentou esclarecer que o  poeta – não apenas ele, Gil, mas abrangendo universalmente a prática do compor poético – “pode estar querendo dizer o incontível”. Assim mesmo, apesar do Teseu da Piauí desfiar os novelos acadêmicos de Ariadne, se perdeu no labirinto simples, quase infantil, de uma brincadeira do Gil. Terá lhe faltado, na infância, uma carinhosa babá para ensiná-lo a “dandá neném” ?

Tristes esses paulistas que vasculham nos sombrios porões da Europa o que não conseguem perceber dos vastos e iluminados pomares de nossos quintais. E pensar que foi um paulista quem contou da árvore Volomã que o comentarista não conseguiu decifrar no abacateiro do poeta baiano.

Natural. Afinal o abacateiro é nativo da América Central, Macunaíma é da Venezuela e o Mário de Andrade, um brasileiro. As prateleiras das bibliotecas onde o acadêmico foi buscar suas ironias  distantes da sinceridade do sarcasmo de certas metáforas típicas de nossa cultura, são europeias. Talvez confeccionadas com madeiras do nosso continente, provavelmente até de jacarandá da Bahia, mas, evidentemente, árvores mortas.

E também Se evidencia uma má colocação minha, pois me refiro a “nossa cultura” enquanto o autor esclarece não se incluir ao pronome, embora, as metáforas de Gil sejam, já há muitas décadas, reconhecidas internacionalmente, inclusive na Europa das origens acadêmicas do colunista da “Piauí”.

Ou seja, o realmente intrigante neste articulista é que se não consegue conceber no estalido do berimbau e nos movimentos da capoeira a “volta ao mundo” a que se refere a frase do verso do Gil e em Caetano Veloso reinterpretando o mesmo circular tecer do labirinto cósmico se distingue como “pés na Bahia e mãos na África e mãos na Terra e pés no Céu”; por que o estonteado camará se perde de seus rumos?

Se lhe é impossível alcançar o tecer da manhã pelos cantos dos galos de João Cabral de Melo Neto, por que diabos escreve e publica numa revista com o nome de “Piauí”?

Em homenagem a esta tão estoica determinação construirei aqui, agora, nesse instante (ou será que já foi feita por outro e só a reproduzo?), uma metáfora que, espero, seja do agrado e acessível à acadêmica compreensão deste crítico:

“A pedra

é uma pedra,

é uma pedra,

é uma pedra,

é uma pedra,

é uma pedra… (repete-se indefinidamente)

Abraço!

 

    Gilberto Gil completa 70 metáforas incompreensíveis

  • magem de um cientista após sete horas tentando decifrar os cinco primeiros versos de Tempo Rei.

ESPERANTO – Em cerimônia impenetrável em que todos se confundiram já no “Bom dia”, o intelectual, literato e grande mestre do português indecifrável Candido Mendes entregou a Ordem do Mistério Enigmático, no grau Charada Abstrusa, a Gilberto Gil, “em homenagem estreme e impermista a suas setenta metáforas pulcras”.

Enquanto a plateia folheava freneticamente os três volumes do Dicionário da Língua Portuguesa Caldas Aulete, Candido Mendes seguiu afirmando que, mesmo com toda sua experiência em criar obstáculos à compreensão do idioma, sentia-se um humilde aprendiz diante da obra gilbertiana. “Por mais que obrasse, jamais atinei com a razão pela qual no instante que tange o berimbau é volta ao mundo, camará”, disse, sem esconder a admiração. Perguntado sobre quanto tempo levaria para traduzir a obra de Gil para o português, respondeu: “De jangada leva uma eternidade. De saveiro leva uma encarnação. De avião, o tempo de uma saudade”.

Pelo menos cinco psicanalistas lacanianos e dois especialistas em Gilles Deleuze tomaram o microfone para atestar que a elucidação dos ditos do compositor baiano tem sido o maior desafio profissional de suas carreiras. “E olha que tivemos de atravessar o Seminário sobre a Lógica do Fantasma”, disse um lacaniano. “E o conceito de rizoma em Diferença e Repetição”, aduziu um deleuziano, sendo prontamente ovacionado pelo feito. “Nada disso nos preparou para decifrar por que enquanto o tempo não trouxer abacate amanhecerá tomate e anoitecerá mamão”, concluiu um heideggeriano, que se mostrou nitidamente assustado com o verso. “Durmo todas as noites com receio de acordar num mundo só de tomates.”

Gilberto Gil aceitou a comenda, mas declarou que se sentia desmerecedor da honraria. “Afinal, é com pesar e admiração que digo a vocês que não fui capaz de compor o verso Quando se tem o álibi de ter nascido ávido e convivido inválido mesmo sem ter havido”.

Passado o instante de perplexidade, os jurados concordaram com Gil e chamaram Djavan ao palco. No final do dia, executivos do Google anunciaram o lançamento do Gilberto Gil Tradutor, uma ferramenta que verte os versos do vate baiano para doze idiomas – inclusive o português.

Leia também:

Bilhete de Chico Buarque à diarista é considerado magistral

Descoberto homem que compreende Gilberto Gil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here