Gasto de Bolsonaro com publicidade aumenta em 63% no primeiro trimestre

Bolsonaro na Record Com Bolsonaro, Record viu sua arrecadação crescer em 659%. Dono da emissora, Edir Macedo declarou apoio à sua candidatura. Foto: Alan Santos/PR

São Paulo – O governo de Jair Bolsonaro elevou em 63% os gastos de verbas publicitárias nos primeiros três meses de governo, em comparação com o mesmo período de 2018, no governo golpista de Michel Temer. De acordo com o portal UOL, com dados levantados junto à Secretaria Especial de Comunicação (Secom), só neste trimestre já foram gastos R$ 75,5 milhões com propaganda.

A reportagem aponta que, com Bolsonaro no poder, Record e o SBT ultrapassaram a Globo e agora são os grupos de comunicação que mais recebem verbas publicitárias do governo federal. Só neste ano, a Record já recebeu R$ 10,3 milhões, enquanto o SBT ficou com R$ 7,3 milhões. A Globo obteve R$ 7,07 milhões.

O crescimento do faturamento publicitário da Record junto à Secom no primeiro trimestre de 2019 é de 659%, considerando a variação da inflação no período.

Os números da Secom indicam que os gastos com publicidade institucional foram de R$ 44,5 milhões no primeiro trimestre de 2018 e alcançaram para R$ 75,5 milhões no mesmo período de 2019. Segundo o UOL, esses valores são referentes aos gastos do órgão com o pagamento de agências de publicidade, pesquisas de opinião pública, comunicação digital e repasses a veículos de comunicação em todo o Brasil.

Os dados desmentem as declarações de Bolsonaro em janeiro deste ano. Em cerimônia de posse dos novos presidentes dos bancos públicos, ele afirmou que não haveria “privilégios a alguns órgãos de comunicação” e prometeu cortar verbas de anúncios do governo.

A Rede Record é ligada à Igreja Universal do Reino de Deus, comandada pelo bispo Edir Macedo, que declarou apoio à candidatura de Bolsonaro à Presidência em setembro do ano passado. De lá para cá, o presidente já concedeu duas entrevistas exclusivas ao canal.

O SBT do empresário Silvio Santos também estreitou suas relações com o presidente. Silvio também declarou apoio a Bolsonaro durante as eleições e os dois tiveram encontros pessoais. Após a eleição de Jair, o SBT colocou em sua grade o slogan “Brasil, ame-o ou deixe-o”, expressão utilizada mo período da ditadura civil-militar, associada à repressão de movimentos e ideias contrários ao governo.

Em nota, o governo argumenta que os valores não têm relação com as ações de Bolsonaro e que são medidas autorizadas pelos governos anteriores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.