Fundador do “Escola sem Partido” lamenta fim do projeto e se diz decepcionado com Bolsonaro

"Desde a transição, não me lembro de ter ouvido falar mais em 'Escola sem Partido'. Por alguma razão, o tema sumiu do radar do presidente", reclamou Miguel Nagib.

Foto: Divulgação

O movimento criado para perseguir professores e tentar convencer estudantes a constranger profissionais da educação está chegando ao fim. E pelas lamentações apresentadas por Miguel Nagib, fundador do “Escola sem Partido”, o motivo principal para desistir de suas ações é falta de dinheiro. Ele também reclama de falta de apoio por parte do presidente da República e da classe empresarial.

Em entrevista para o jornal O Globo, ele condiciona a volta da sua iniciativa à obtenção de recursos, sejam eles públicos ou privados. “Quem banca tudo sou eu. Gostaríamos de colaborar com a sociedade, achamos que o projeto é importante. Há várias iniciativas que têm apoio de empresários e achamos que a nossa é uma causa de interesse público”, afirmou Nagib.

Segundo ele, vários políticos se elegeram no ano passado com o discurso do “Escola sem Partido”, mas depois que conseguiram seus cargos deixaram a pauta de lado. “Desde a transição, não me lembro de ter ouvido falar mais em ‘Escola sem Partido’. Por alguma razão, o tema sumiu do radar do presidente”, reclamou Nagib, nas redes sociais.

Em um trecho dessa postagem, onde afirma que encerrará as atividades do movimento a partir do dia 1º de agosto, Nagib resume bem a sua atuação para ajudar a eleger candidatos que aproveitaram a onda conservadora para atacar professores e ativistas da educação. “Fiz papel de bobo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.