Florianópolis recebe Encontro Nacional de Lésbicas e Bissexuais da Marcha Mundial das Mulheres

No evento, foram levantadas pautas sobre preconceito, aborto, saúde, segurança e direitos humanos

Entre os dias 5 a 8 de julho de 2018, aconteceu em Florianópolis, o Encontro Nacional E ESTADUAL de Lésbicas e MULHERES Bissexuais da Marcha Mundial das Mulheres (Enalesbi-MMM). O evento, que reuniu mulheres de diversas regiões do Brasil como Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, Pernambuco e Goiás foi realizado na sede do Sindiprev, na praia de Ponta das Canas, no Norte da Ilha.

O Conselho Regional de Psicologia de Santa Catarina (CRP-SC) esteve representado no encontro através da conselheira e presidenta da Comissão Mulheres e Psicologia, Pâmela S. dos Santos, que reforçou que a Psicologia, enquanto profissão exercida majoritariamente por mulheres, é grande parceira e também protagonista dessa causa, visto que tem como papel fundamental todo e qualquer tipo de violência e discriminação, e compromete-se para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária para todas as pessoas. O CRP-12 esteve presente como apoiador do movimento de lésbicas e mulheres bissexuais, através da comissão mulheres e psicologia. Foi um encontro que podemos chamar de forte, potente e significativo para as mulheres.

O objetivo geral da reunião foi promover discussões sobre encaminhamentos das lésbicas e bissexuais para o X SENALESBI – Seminário Nacional de Lésbicas e Bissexuais, que acontecerá em agosto deste ano, em Salvador. Os encaminhamentos foram construídos coletivamente, a partir das rodas de conversa e propostas das participantes. A construção final aborda o posicionamento das mulheres lésbicas e bissexuais frente a atual situação política do país e o cerceamento de direitos para essa população. “Nesse sentido, as considerações reivindicam políticas públicas específicas para suprir as necessidades das mulheres lésbica e bissexuais, bem como a defesa projetos e reivindicações frente à legalização dos direitos sexuais e reprodutivos, legalização do aborto, retificação do uso de agrotóxicos, contra os sistemas que oprimem e produzem barreiras para a igualdade de direitos”, destacou a psicóloga e colaboradora da Comissão Mulheres e Psicologia, Paula Helena Lopes.

Pâmela dos Santos ressaltou que, enquanto psicólogas, não é preciso viver a questão para saber que ela precisa de três elementos básicos: representação, segurança e direitos. “Nós, da Comissão Mulheres e Psicologia do CRP 12, queremos contribuir para a construção de uma Psicologia para mulheres reais, respeitando suas singularidades, representando suas pautas, preservando seus lugares de fala e, sobretudo, ajudando na construção de uma sociedade justa e igualitária para todas”.

 O evento contou também com um show da Dandara Manoela, a qual contribuiu para a discussão sobre a representatividade das mulheres negras, e os tipos de violências que elas enfrentam.

Foram levantadas pautas sobre aborto, saúde, segurança e questões sobre racismo e capacitismo, na aproximação com as mulheres negras e com deficiências. O encontro ainda possibilitou aprendizados intensos por sua organização e auto-gestão, tal qual a Marcha Mundial das Mulheres. Cada participante contribuiu com todos os quesitos: alimentação, organização, limpeza e gestão das rodas de conversa. “É incrível ver a potência que um encontro desse possibilita para nós, psicólogas, que estamos, muitas vezes, lutando de forma mais individual, mas não menos importante. Isso nos faz lembrar a importância de construir uma Psicologia coletiva, social e em luta, em marcha pelos direitos das mulheres”, disse Paula.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.