Filme resgata história de ex-preso político condenado à pena de morte

'Ao reconstituir a história de um ex-preso político condenado à morte que escapou da ditadura, o filme, na verdade, fala do Brasil de hoje' (Foto: Divulgação)
‘Ao reconstituir a história de um ex-preso político condenado à morte que escapou da ditadura, o filme, na verdade, fala do Brasil de hoje’ (Foto: Divulgação)
Por Xandra Stefanel.
‘Galeria F’, de Emília Silveira, refaz trajetória de Theodomiro Romeiro dos Santos rumo à sua liberdade, depois de sobreviver a nove anos de prisão e muita tortura durante a ditadura

Aos 14 anos de idade, Theodomiro Romeiro dos Santos começou sua luta no combate à ditadura. Aos 18, em 1970, foi preso, torturado e, depois de cumprir nove anos de prisão, decidiu fugir da penitenciária Lemos Brito, em Salvador. Quarenta anos depois, acompanhado do filho e da cineasta Emília Silveira, ele refaz boa parte do caminho que traçou durante sua fuga. É esta a história do documentário Galeria F, que chegou aos cinemas nesta quinta-feira, 30 de março, às vésperas do aniversário do golpe de 1964.

O longa-metragem começa com uma reunião de família na qual Theo revê o álbum que resume sua história e a infância dos filhos. A partir de uma narrativa não-linear, a diretora vai apresentando aos poucos a trajetória do primeiro civil condenado à pena de morte no período da República brasileira.

Seu crime? Além da militância política no Partido Comunista Brasileiro (PCB), ele reagiu à prisão e acabou matando um sargento da Aeronáutica que tentava atingir um companheiro. Condenado à morte por um tribunal militar, teve, três meses depois, sua pena alterada para prisão perpétua. Foi sequestrado e torturado por dias seguidos.

Enquanto muitos celebravam a anistia, Theo viu seus amigos, também presos políticos, serem soltos e soube que sua vida corria sério risco. Aos poucos, o espectador entende que, ainda muito jovem, nove anos depois de ser preso, o senhor que é hoje juiz do Trabalho não tinha outra opção, senão fugir do presídio, em agosto de 1979.

Sua fuga, notícia dentro e fora do país, só foi possível graças à solidariedade de companheiros do partido e de padres. Foi assim que Theo deixou a Bahia, passou pelo Rio de Janeiro e terminou parte desta aventura forçada em Brasília. E é exatamente este o caminho que ele refaz agora ao lado de Emília e de seu filho Guga, que até então conhecia bem pouco da história do pai.

É por isso que Galeria F é praticamente um road movie, com entrevistas feitas nos locais por onde Theo passou e dentro do carro, enquanto viajam. A câmera é uma espécie de passageiro no banco traseiro do veículo, uma testemunha das lembranças que vêm e vão ao longo do trajeto, acompanhadas de pontos de vista de amigos da época e do olhar atento de Guga.

É quando Theo visita os lugares onde foi torturado que o filme atinge o pico de tensão e emoção. Impossível não imaginar as dores físicas e psicológicas pelas quais ele passou. “Quando você começa a ser torturado, há um confronto seu com o inimigo. Você o chama de filho da p*ta, você o insulta, você entra num conflito com ele, num confronto. E isso é mais fácil de fazer. Outra coisa é você ficar amarrado aqui, sozinho, sentado, com os seus fantasmas e seus medos, com os olhos vendados. Você fica se enfrentando sozinho. Não tem ninguém te batendo, não tem ninguém fazendo nada. Mas daí você começa a enfrentar os seus medos: ‘será que eu vou aguentar dessa vez, será que eu não vou denunciar ninguém?’ Então, você fica com essas angústias todas, enfrentando sozinho. Pra mim, essa era a pior situação de todas”, relembra Theodomiro.

Uma das cenas mais perturbadoras do longa-metragem é quando, dentro de uma cela onde ficou preso, Theo anda, em silêncio, sem parar e declara: “É por isso que quando você vê no zoológico o bicho na jaula de um lado para o outro, você entende porque ele está fazendo aquilo. Porque as pessoas também fazem”, resume, em uma espécie de metáfora do que foi a ditadura civil-militar.

Assim como muitos filmes que retratam este período sombrio da história do Brasil, o longa de Emília Silveira promove uma importante reflexão para que os males vividos naquela época não se repitam nunca mais. “Galeria F é um documentário no tempo presente. Ao reconstituir a história de um ex-preso político condenado à morte que escapou da ditadura, o filme, na verdade, fala do Brasil de hoje. De um Brasil que esqueceu fatos marcantes do seu passado e jogou pra debaixo do tapete boa parte do sofrimento e das marcas deixadas por 21 anos de ditadura militar”, anuncia o texto de divulgação do filme.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.