Fernando Morais critica violência da extrema direita: “É a treva contra a democracia”

Jornalista visitou o ex-presidente Lula nesta quinta-feira (11), em Curitiba, acompanhado do colega Mino Carta.

Foto: Joka Madruga

Por Lia Bianchini.

“O que está em jogo é a treva contra a democracia”. Essa é a análise do jornalista e escritor Fernando Morais sobre o atual cenário político brasileiro. Morais esteve em Curitiba nesta quinta (11), junto ao colega de profissão Mino Carta, para uma visita ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Após a visita, os dois concederam entrevista coletiva. Morais visitou a Vigília Lula Livre, que fica em frente à Superintendência da Polícia Federal, onde o ex-presidente Lula está preso há 188 dias.

“[Vim] com a preocupação que deve ser comum à boa parte da população brasileira, que é o risco da volta do fascismo. O que está em jogo não é uma eleição entre dois partidos, entre duas pessoas, o que está em jogo é a treva e de outro lado a democracia”, afirmou.

Autor de clássicos como Olga e Os últimos soldados da Guerra Fria, o jornalista criticou os atos de violência que têm acontecido por todo o país, afirmando que só um dos lados da disputa eleitoral é responsável por incitar tais crimes. Para ele, a extrema direita, representada por Jair Bolsonaro, propicia um cenário de “banalização da violência”.

Segundo levantamento realizado pela Agência Pública, desde o dia 30 de setembro, aconteceram 70 atos de violência com motivações políticas, em 18 estados brasileiros e no Distrito Federal. Cinquenta desses crimes foram cometidos por apoiadores do candidato do PSL, Jair Bolsonaro. Em outros 15 episódios, não foi possível identificar a ideologia que motivou o agressor.

“O PT está no poder há 13 anos. Vocês viram alguém esfaquear alguém por causa de política [nesse período]? Vocês viram alguém estimular que você agrida outra pessoa por divergir de você? Isso começou agora”, comentou Morais.

Virar o jogo nas ruas

Morais e Mino Carta disseram que o ex-presidente Lula acredita que o PT pode vencer as eleições. A analogia que Lula usou para exemplificar o cenário eleitoral, segundo os jornalistas, foi a histórica luta de boxe entre Muhammad Ali e George Foreman, em 1974.

Na disputa, conhecida como a “luta do século”, Ali passou os primeiros quatro rounds apanhando e se defendendo de Foreman. A partir do quinto round, quando Foreman mal aguentava golpear seu adversário, Ali partiu para o ataque e, no oitavo round, conseguiu o nocaute.

“O que nós temos que fazer é isso: sair das cordas, ir para as ruas e partir pra cima do adversário”, defendeu Morais, afirmando que a estratégia da militância deve ser nas ruas, através de conversas “olho nos olho” com a população.

Na mesma tarde, a presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores, senadora Gleisi Hoffmann, também fez uma visita ao ex-presidente Lula. Após a visita, ela foi à Vigília Lula Livre e defendeu o projeto de governo do candidato petista Fernando Haddad (PT).

“Nós estamos do lado do povo. Nós votamos contra a reforma trabalhista, enquanto eles votaram a favor. Votamos contra a Emenda Constitucional 95 [que instituiu o teto dos gastos públicos], enquanto eles votaram a favor. Fomos nós que fizemos o Bolsa Família, enquanto eles criticavam dizendo que era esmola”, afirmou Hoffmann.

O segundo turno da disputa presidencial entre Haddad e Bolsonaro acontece no dia 28 de outubro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.