Fazer Carnaval é um modo de resistência

Capoeira, jongo, Umbanda, Candomblé e o samba. A cultura negra é produto da resistência também em outro campo da arte e da alegria: gastronomia. É daí que vem a feijoada, a cocada, a acarajé. Mas é nestes tempos de folia que este tema precisa ser lembrado, reforçado e alçado a condição que lhe pertence: resistência. O discurso de que a festa da folia é alienação é próprio de quem perdeu o fio da história. Fazer a festa e incensá-la nestes tempos é, na verdade, confirmar a resistência cultural. É o que demonstra, neste artigo, o fotojornalista e professor de História, Berg Silva.

Por Berg Silva.

Foto: Berg Silva

O extermínio de negros é um projeto das oligarquias. Roquete Pinto que era médico, antropólogo e pioneiro da radiodifusão defendia uma “Eugenia Positiva” e dizia logo após a abolição que “O Problema (negros)” estaria extinto em um Século. Para isso avaliava que, com a chegada de migrantes europeus, a sociedade brasileira faria acelerar o processo de “mestiçagem”, embranquecendo paulatinamente a população.

Sua tese se opunha à de Renato Ferraz Kehl, médico sanitarista do interior de São Paulo, que trabalhava no Departamento Nacional de Saúde Pública e chegou a ser Diretor da Multinacional Alemã Bayer no Brasil, nos anos 20, época da ascenção nazista.

Renato Ferraz Kehl, pai do eugenismo brasileiro, defendia a segregação e o extermínio dos negros libertos, pura e simplesmente.

Desde então o tratamento oferecido pelo Estado à população negra, salvo exceções (Governo Jango, Governo Brizola, Governo Lula), é paulada, tiro e abandono.
Eles só não contavam com a nossa força e a nossa resistência
Habituados a resistir diariamente à pancadaria, criamos mecanismos de defesa e sobrevivência. Principalmente através da preservação dos nossos saberes e cultura.

No Rio de Janeiro podemos elencar várias manifestações culturais que nos fazem resistir. A Capoeira, o Jongo, a Umbanda, o Candomblé, a Folia de Reis… Mas nenhum deles é mais representativo dessa resistência do que o Carnaval, pelo simples fato de reunir tudo isso num caldeirão de alegria, para desgosto e revolta daqueles que tentam nos empurrar para debaixo do tapete. Nesse caso um tapete com sete palmos de terra.

A violência praticada pelo Estado nas favelas neste momento que antecede o carnaval é mais um capítulo desta tentativa de extermínio, contra o qual nos insurgimos. Inclusive, fazendo o… Carnaval!

Portanto quando você, amigo branco, fizer posts nesta rede social questionando porque fazemos carnaval em meio à barbárie, por favor, reflita. E nos deixe sobreviver ao massacre.

Se não quer ajudar, não atrapalha!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.