Faltaram-me palavras para perguntar.

Foto: Ivan Cima/Cimi Sul.

Por Claudia Weinman, para Desacato. info.

Vitor Pinto, menino Kaingang, tinha dois anos de idade quando foi assassinado em Imbituba/SC, no dia 30 de dezembro de 2015. Ele foi degolado enquanto a mãe, Sônia da Silva, o amamentava, na rodoviária, onde a família trabalhava com a venda do artesanato. Uma semana depois ocorreram mobilizações em denúncia ao caso. O pedido de justiça. Em Chapecó, local de moradia de Vitor, mais de 600 pessoas foram para as ruas. Em Imbituba também teve ato.

Em 14 de março de 2017 o Portal Desacato divulgou a informação, via Conselho Indigenista Missionário (CIMI), que Matheus de Ávila Silveira, assassino de Vitor, tinha sido condenado há 19 anos, cinco meses e dez dias de reclusão, em regime fechado.

Vitor e outros tantos indígenas, vítimas do preconceito, não voltarão, mas a família anda sem notícias a respeito da indenização, se a pena do condenado foi reduzida, pois é essa informação que chegou até eles nesse momento.

A gente sentou para conversar com a família, mas, faltaram palavras. O pai, Arcelino Pinto, permaneceu mais calado. A mãe Sônia, entre olhares, contou sobre a venda do artesanato, a importância dessa renda mas, por motivos óbvios, se notava a profunda dor pela falta de Vitor.

Nessas situações o que a gente faz é engolir a saliva várias vezes até a boca ficar seca. Precisamos perguntar? Sim. Precisamos que falem para que a gente traga à memória coletiva esse caso e para que isso não aconteça mais? Sim. Mas também nos cabe toda humanidade de não sermos invasivos e respeitarmos essa situação.

Gravamos uma matéria sobre a situação da família desde 2015. Ela será publicada na quinta-feira, dia 25. Importante esse registro a fim de colocar para a sociedade que o caso do pequeno Vitor não é isolado, faz parte da política anti-indigenista, do ódio contra os povos, do extermínio, da não demarcação do território tradicional.

Um relatório do CIMI, divulgado no dia 27 de setembro mostra que: “Em relação à “violência contra a pessoa”, houve um agravamento da situação registrada em sete dos nove tipos avaliados: tentativa de assassinato (27 casos), homicídio culposo (19 casos), ameaça de morte (14), ameaças várias (18), lesões corporais dolosas (12), racismo e discriminação étnico cultural (18) e violência sexual (16). Em relação ao abuso de poder, houve o registro de 8 casos, mesma quantidade de 2016”.

As informações completas podem ser conferidas no link: CIMI.

Vitor Kaingang. Presente!

Claudia Weinman é jornalista, diretora regional da Cooperativa Comunicacional Sul no Extremo Oeste de Santa Catarina. Militante do coletivo da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) e Pastoral da Juventude Rural (PJR).

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.