Falsa juíza pode pegar de três meses até um ano de prisão

Uma mulher que aparece no vídeo fazendo o maior barraco em Balneário Camboriú, não é juíza, como ela afirma. Trata-se de Sirlei Klein Pscheidt, moradora de Balneário Piçarras. O vídeo viralizou nas redes sociais neste final de semana e até a associação dos Magistrados de Santa Catarina emitiu nota afirmando que a mulher não é juíza e que vai tomar providências em relação a isso.


O local é a esquina da rua 2900 com a avenida Atlântica, ao lado do restaurante Madero. Sirlei chega a dar dois tapas no celular de um homem que filma o escândalo. Ela afirma ser “juíza de porta de cadeia” e que todos os seus parentes são juízes e promotores.

Leia mais:
Juíza bêbada faz abuso de poder e estaciona em lugar irregular em SC

Leia a nota, na integra: A Associação dos Magistrados Catarinenses (AMC) esclarece, quanto ao vídeo que circula nas redes sociais em que uma mulher em veículo com placas de Joinville/SC discute com populares por conta de motocicletas estacionadas irregularmente em via de Balneário Camboriú/SC, que tal pessoa não integra a Magistratura do Estado de Santa Catarina. Ainda, destaca a existência de sérias dúvidas quanto à real atividade profissional exercitada por essa mulher, estando toda a Magistratura estadual consternada com o episódio. Os procedimentos necessários já foram adotados e, verificada a falsa identificação, medidas judiciais serão tomadas. Juiza Jussara Schittler dos Santos Wandscheer, primeira vice-presidente da AMC ( Associação dos Magistrados Catarinenses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.