Extrema-direita israelense quer lei para prender quem levantar bandeira palestina

Israel pode surpreender o mundo mais uma vez com sua política de perseguição aos palestinos.

O Likud, partido de extrema-direita israelense do primeiro ministro, Benjamin Netanyahu, pretende apresentar um projeto de lei no Knesset, o parlamento de Israel, que prevê a prisão para quem erguer a bandeira da Palestina.

A representante do partido, Anat Berko, que encabeça a proposta no Parlamento, deixa claro que o objetivo da lei, que pretende ver aprovada, é colocar na cadeia, por um ano, palestinos ou apoiadores da causa palestina que levantem a bandeira dentro de Israel.

A ideia surgiu depois de um sobrevoo sobre Tel Aviv quando ocorria uma manifestação na cidade para protestar contra a lei, aprovada em julho, que instituiu o apartheid imposto pelo governo sionista contra os palestinos.

A legislação é reconhecidamente violadora de resoluções da ONU, a Organização das Nações Unidas, e do direito internacional, mas está em vigor.

A parlamentar extremista antecipa que o novo projeto que irá censurar o direito dos palestinos e de seus apoiadores de empunhar a bandeira da Palestina será apresentado aos demais congressistas do Knesset em outubro.

O texto que é liderado pelo Likud, deve conquistar o apoio dos demais partidos da coalizão. O governo Netanyahu está confiante que o projeto será aprovado pelo parlamento israelense.

Com informações do Middle East Monitor

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.