Existem Negros na Bahia? A Rede Globo Entende Que Não!

Meus Amigos e Minhas Amigas

Eu cresci – passei infância, adolescência e fase adulta – indignado em vir a cidadãs e cidadãos negros excluídos da programação infantil, de variedades, de teledramaturgias, esportivas, de telejornalismos e de entretenimentos da Rede Globo de Televisão. Quando o negro era abordado na teledramaturgia estava na condição de escravo, de serviçal doméstico, de marginal ou de subproduto social.

Por Flávio Leandro.*

Mesmo criança eu assisti, sem muito entender o motivo, um ator branco caracterizado de negro para viver uma personagem ícone da literatura universal: Pai Tomaz.

Assisto por décadas o jornalismos da Rede Globo exibir  a família composta de pessoas brancas para mostrar boa qualidade de vida, e famílias de pessoas negras para mostrar a miséria e a violência.

Quando a teledramaturgia exibe cidadão e cidadãs negras em suas dramaturgias soa como se a Rede Globo estivesse prestando  um favor à negritude e, não, reconhecendo que compomos mais de 52% da população.

A partir dos anos 2000 as coisas pareciam que iriam mudar com a presença, ainda que discreta, de negros e de negras em algumas das suas programações.

Hoje, aproximando-nos da terceira década do século XXI, somos todos surpreendidos com a vinheta da próxima novela das 21 horas, Segundo Sol, ambientada na Bahia, estado com o maior contingente negro da América Latina, onde a figura do negro e da negra é 100% excluída.

Após mais de cinco décadas nos excluindo da ficção e da realidade, mas incluindo-nos nas redes de marginalidades de pobreza e da miséria em suas programações, já não seria à hora dos senhores mostrarem uma remissão com a Raça Negra brasileira? Já não basta de tantas mazelas lançadas contra nós?

E o governo democrático da esquerda do Estado da Bahia? Vai tomar alguma providencia?

E a bancada negra do Congresso Nacional vai se mobilizar?

E O POVO NEGROS BAIANO VAI SE ACOMODAR?

E os movimentos negros baianos? Não seria essa à hora de saírem das suas insignificâncias e se redimirem com a Raça Negra por tantos anos de omissões e de vendas Causa Negra aos partidos políticos.

E a Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – SEPPIR – vai tomar alguma providencia ou vai continuar alimentando o seu site horroroso e inútil com baboseiras e inutilidades envolvendo a Causa Negra?

E o OLUDUM, ILÊ AIYÊ, ARAKETU e outras entidades, que se dizem representantes da negritude baiana, vão tomar alguma iniciativa ou vão se calar para em troca continuar recebendo apoio financeiro do Criança Esperança no jogo do faz de conta que fazemos?

E as Diretorias Regionais da Igualdade Racial da Ordem dos Advogados do Brasil, OAB, ex Comissão da Igualdade Racial (Trocaram a massa fecal para bolo de fezes, mas a latrina é a mesma) vão continuar apenas na condição de latrinas politiqueiras de partidos políticos?

E a tal da Comissão Nacional da Verdade Sobre a Escravidão Negra que busca provas e vestígios da escravidão Negra do Brasil (Não é piada não. É serio!) para uma reparação – quem ninguém sabe, e nem é explicado – de que, para quem e de onde virá. Vai exigir respostas ou vai continuar a promover eventos de culinárias, de carnaval e religioso desviando o foco do que se propôs a buscar, ainda que de maneira delusa?

uma reparação

Vou aguardar respostas? Senão toda semana farei cobranças. Lembro que participo de dezenas de listas de cidadãos; grupos culturais, jurídicos, governamentais, audiovisuais, do magistério, estudantis, da negritude, da literatura, das artes plásticas e etc, etc. Possuo um mailing de mais de doze mil contatos, entre pessoas, entidades e órgãos públicos e da sociedade civil. Esta mensagem está sendo enviado para quase Cento e Oitenta Mil Pessoas, sem contar o compartilhamento em redes sociais e repasse a grupos que me excluíram ou não me aceitam em suas por não querer virem suas mazelas expostas ao povo brasileiro.

Se a Rede Globo e os envolvidos, como o Governo da Bahia, SEPPIR, Movimentos Negros e afins não se manifestarem, continuarei a soltar o verbo. Mesmo sabendo do perigo das bocas criminosas que tem se levantado contra a minha pessoa.

Abraços a todos.

*Cineasta, Professor de Produção Cultural, Professor de Produção Teatral.

Imagem: http://www.mundonovelas.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.