Evo Morales seria eleito em primeiro turno mesmo com a anulação das urnas questionadas pela OEA

Centro de estudos latino-americano aponta inconsistências em relatório da OEA sobre eleições da Bolívia

Foto ABI

Por Lucas Rocha.

Dois dias após a Organização dos Estados Americanos (OEA) publicar seu informe final sobre as eleições da Bolívia, o Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica (CELAG) publicou uma análise que critica as inconsistências apresentadas na avaliação da OEA sobre os comícios de 20 de outubro. A posição da organização foi fundamental para a derrubada de Evo Morales, através de um golpe de Estado em 10 de novembro.

Segundo a CELAG, a OEA, em sua avaliação, trata principalmente do sistema de divulgação de dados prévios da apuração (TREP) e não os resultados consolidados. Além disso, o centro aponta que a entidade não traz denúncias contundentes capazes de comprovar uma fraude.

Leia mais: Ação violenta da Polícia Militar de Florianópolis deixa feridos

O centro aponta que na avaliação sobre o sistema de dados TREP, a OEA omite que: “1) este não é o sistema de contagem oficial, 2) o TREP não estava desenhado para apresentar dados acima de 90% em nenhum caso e 3) que as supostas irregularidades no procedimento de carga de dados, caso sejam verdadeiras, só justificariam uma irregularidade procedimental, já que nada se prova sobre como e para que se utilizaram supostos servidores adicionais”. Dez dos doze pontos levantados tem a ver com o TREP.

Outra questão levantada pela OEA questionada pelo CELAG tem a ver com as mesas anuladas por “fraude”. Foram 226 as atas consideradas nulas (das 4.692 totais) e em 59 a organização viu “graves irregularidades” por estarem díspares da contagem das outras mesas. Segundo a CELAG, isso não se comprova quando analisadas as porcentagens dessas atas com as outras dos mesmos municípios.

Segundo o centro, mesmo se os votos dessas 226 urnas fossem integralmente para Carlos Mesa, Morales seguiria vencendo em primeiro turno com uma vantagem de 10,08 pontos percentuais a seu favor.

“Definitivamente, o informe da OEA, seja por incapacidade técnica ou por dolo, incorre em debilidades manifestas”, finaliza a análise.

Legislação eleitoral

Horas antes da publicação do texto do CELAG, o presidente Evo Morales, exilado no México, também criticou a OEA. “O golpe de Estado acusa-me de fraude eleitoral, quando nem mesmo no relatório da OEA fala sobre fraude, mas sobre irregularidades. A lei estabelece que, se houver irregularidades, a votação deverá ser repetida nessas mesas. Nossa vitória foi roubada no primeiro turno”, tuitou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.