Eu tive um sonho

 

Eu tive um sonho. São os instantes finais da copa do mundo feminina. O 0 x 0 desespera
o mais desinteressado por futebol. Cada segundo é uma hora. Cada momento, toque na
bola ou virada de jogo eleva os batimentos cardíacos. A camisa amarela tem outro tom
tamanha a quantidade de suor. As pernas gritam por pausa e a alma grita por
seguir. O Brasil chegou até a final da copa do mundo. O país está diante da luta das
jogadoras. O país assiste ao 0 x 0 e sobe ao muro na indecisão de uma arrancada rumo
ao gol ou a dita sorte na prorrogação e penalidades. Marta é genial. Marta se recuperou
do susto da lesão de semanas antes e reina nos campos franceses. Marta entorta as
adversárias, bate pro gol, cruza. Marta vive a partida como o último jogo da vida. Marta
não liga para a câmera e xinga, grita e tem constantemente os olhos mareados de quem
se emociona todo o tempo diante da certeza de ser eterna. E Marta arrebenta no jogo.
São 40 do segundo tempo. O time adversário também está cansado, mas põe a bola no
chão e toca. Trabalha a redonda de um lado para o outro. Transmite a sensação de
calmaria na ausência de óculos especialmente desenvolvidos para leitura de tormenta.
Toca de lado. Força a jogada de quem aparenta estar mais cansada no time brasileiro. É
só “achismo”. Do lado brasileiro a cara é fechada e o jogo é sério. O time segue tocando
e acha que acha uma jogada pelo meio. A jogadora adversária mais habilidosa, camisa
10, entra com certa liberdade pelo meio e encontra Formiga. Encontra 7 copas do
mundo. Encontra a deusa. Desarme. O tempo segue. Agora são 42 minutos do segundo
tempo. Quem estava em cima do muro pula de vez pra um lado.

– Empata logo! Aproveito o pra tomar uma água e medir a pressão.

O time adversário pensa igual, mas acha uma brecha. Bola na lateral, toque no meio e
lançamento despretensioso seguido de xingamentos da torcida pela bola dada de graça
que… deu certo. A atacante domina e, se muito jeito, bate pro gol. O morrinho artilheiro
(nem sei se falado atualmente) ajuda. 1 x 0 no instante em que o relógio vira 43
minutos. Mãos na cabeça, lágrimas. O fim. O fim? Não para Cristiane que não sente o

baque (que que é um gol aos 43 pra quem goleou uma depressão, gente?) e pega a bola
no fundo da rede, atravessa o campo, põe na marca e grita:

– VAMO, PORRA! VAMO QUE VAI DAR!

Saída! Brasil pra cima. Chama a técnica, a garra. As mulheres lutam e vão pra cima.
Pressão. Pressão. Pressão. 45 minutos. É apontado 4 de acréscimo. E ninguém liga. A
sensação é que a final acaba no próximo respiro. Pra cima. Marta domina no meio e
joga entre as pernas da volante, aplicando na sequência um corte magistral em outra
adversária. Solta para Cristiane que para, balança e corta pro lugar inesperado levando a
torcida à loucura e a adversária pro lugar de meme e vítima de dribles humilhantes num
futuro próximo. Deve ter pensando que não ligaria visto a proximidade em erguer a
taça. Só não combinou com o Brasil. Cristiane conduz a bola e bate pro gol. A bola
explode na zagueira e para nos pés da rainha Marta. Formiga grita para chutar e Marta
ouve. Bate. A goleira explode numa grande defesa e Iansã em seus ventos devolve a
bola para os pés de Cristiane que bate firme: 1 x 1 aos 47. Festa! Festa! As adversárias
sentem, mas se acalmam diante do tempo futuro para reconquistar o placar. E as
brasileiras festejam todas. Juntas. Gritam, pulam. Gastam um tempo grande
comemorando. Na volta, saída de bola e tempo para um último lance. Visto isso, vai
saber, novo ataque. Sobe o time adversário inteiro. Se errarem, ao menos o jogo acaba.
É bola de último lance. O time sobe inteiro e tramam uma jogada que acaba num passe
errado dominado por Formiga. Em sua experiência e maestria, quer jogo. E vai.
Arranca, passa por uma, duas, três. Parece atacante. Parece ter 18 anos. Parece querer
fazer mais história que já fez. Arranca e abre pra Cristiane na esquerda. Pro jogo não
acabar, Cristiane joga no fundo. Campo de ataque, perigo de gol e, caso o apito cante
pelo fim, que se prepare pro erro histórico. Ninguém quer. Ninguém quer ficar marcado
por um fim de jogo antes do fim. Cristiane domina e dá a bola no meio. Marta invade na
fúria, na raiva e domina. A torcida grita. As jogadoras brasileiras gritam e Marta gira
como numa dança por uma adversária, mas solta a bola fraca no meio. Bola
despretensiosa, bola perdida. Não para Formiga que vinha rápida. Ela domina, olha e
não vê opção. Sua experiência diz para finalizar a jogada e ela o faz. Um chute. Uma
bola. A bola. A rede. Formiga mete a bola no ângulo aos 49 minutos do segundo tempo.

A bola morre na rede e Formiga nasce. Gol! Gol!
Goooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooool! A seleção brasileira de
futebol feminino é campeã do mundo! Festa no gramado, nas casas e bares. Os carros
tomam as ruas com bandeirões. A música é alta. As jogadores não conseguem dar
entrevistas pois choram. Elas conseguiram. Elas conseguiram! Cristiane manda um
salve pra Osasco. Marta, definitivamente, é a rainha do futebol. E a Formiga… ah
é a deusa que sempre foi. Mas agora todos sabem.

Imagem tomada de: CBF

Guigo Ribeiro é ator, músico e escritor, autor do livro “O Dia e o Dia Que o Mundo Acabou”, disponível em Edfross.

 

 

 

A opinião do/a autor/a não necessariamente representa a opinião de Desacato.info.

#AOutraReflexão

#SomandoVozes

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.